Pessoas, a alma do negócio

by Renato Mendes

O consumidor empoderado é uma realidade, e seus próximos passos?

 

No último post discutimos sobre a importância de manter em foco as mudanças e exigências do consumidor em seus relacionamentos, modos de consumo e visão de mundo. Entender essa importância é fundamental para compreender a nova base de consumo (que já é realidade) avassaladora dos nativos digitais.

 

Já dissemos que o processo de transformação digital não é algo natural, é uma saída para quem ficou para trás. O novo consumidor já é 100% digital, conhece a rotina com as ferramentas que a tecnologia oferece e organiza sua realidade pautada nesse novo processo.

 

Não à toa, um relatório da Fast Company mostra o poder da Geração Z no consumo mundial, afirmando que até 2020 (1 ano e 2 meses mais ou menos) esses jovens irão representar 40% dos consumidores.

 

Logo, é imprescindível se planejar para preencher as novas lacunas que o comportamento dessa massa desenha, é um cálculo simples de volume, sem renovação o público fiel irá diminuir (afinal, ainda somos vulneráveis mortais) e o negócio irá chegar ao fim.

 

A cultura do negócio é a cultura para o cliente

 

Primeiro passo feito, entender os novos movimentos do consumidor e seu relacionamento com o mundo à sua volta. Agora, a mudança precisa ser institucionalizada dentro da cultura do negócio, ou seja, repensar o modelo de negócio com o propósito de centralizar o cliente e não o serviço ou produto.

 

Este passo inclui a necessidade de mudança e ruptura com processos e burocracias engessadas dentro do ambiente de trabalho. É uma jornada que precisa ser contínua e envolve diversas dificuldades, claro, é um ponto que precisa de total atenção para iniciar o modelo digital.

 

O modelo de negócio não é uma escritura sagrada, é temporário e precisa estar à mercê do público e suas volatilidades, em constante adaptação.

 

Não estamos no momento de um consumo altamente padronizado, mas numa era de consumo que cada vez mais exige personalização. As pessoas sabem do seu poder e exigem um tratamento diferenciado e possibilidades abertas, cada vez de forma mais imediata.

 

A segunda parte desse transição envolve o público interno; liderança, equipes e colaboradores do negócio, afinal, como instituir uma nova cultura se ela não for praticada dentro do dia a dia?

 

A responsabilidade das lideranças

Não é segredo que as principais decisões estratégicas são tomadas pelo board diretivo, o relatório “Effective leadership in the digital age” da Econsultancy, ilustrou que a responsabilidade pelos projetos digitais precisa ser iniciada pelos executivos chave das empresas de acordo com 70% dos entrevistados.

 

A integração de times e informações dentro do dia a dia é um ponto fundamental para a abertura de novas ideias e possibilidades.

 

A otimização e automação de processos de trabalho auxilia cada colaborador a focar no campo estratégico de sua função, evitando perder tempo com mecânicas ultrapassadas (Por que contratar alguém para contar e classificar 10.000 comentários por dia quando um software como o BrandWatch pode fazer isso e gerar um relatório para análise humana?)

 

O velho ditado: a união faz a força

Transformação digital é sobre cultura, processos e tecnologia, mas, dependente de organização. Atravessar esse processo junto com sua equipe é algo que vai ajudar imensamente a implementação e conquista de objetivos, de nada adianta uma estratégia muito bem alinhada quando a cultura da inovação não é trabalhada em todos os níveis de colaboração. Valorize o aprendizado e a produção da equipe.

 

Martin Spier, Performance Architect, da Netflix, ilustrou o funcionamento da gestão das equipes dentro da empresa

 

“Colocamos pessoas antes dos processos, o nosso modelo de negócio está sempre em constante mudança, entendemos cada um pelo que entregam e não pela posição que ocupam. A Netflix se move rápido e, com essa cultura, você consegue gerar mais ideias por ter mais pessoas tendo idéias.”

 

A diversidade também é ponto fundamental para  a variabilidade de experiências e pensamentos, ou seja, abra seus horizontes para novas ideias sem se importar de onde elas vêm ou de quem elas vêm.

 

Quanto mais pessoas diferentes, experiências variadas e processos de raciocínio diversos contribuem para uma amplitude de novas ideias. Inovação se faz assim, ouvindo e construindo em conjunto.

 

No final das contas, reinvenção é a palavra chave

 

Pessoas. Esse é o pilar fundamental para este processo. O consumidor é o centro da estratégia, mas, de nada adianta se todos envolvidos dentro do negócio não possuírem e executarem essa mudança.

 

O grande desafio da nova gestão é transformar uma mentalidade em um hábito, algo que saia do discurso e seja implementado no dia a dia.

 

Trazendo mudanças que valorizem os colaboradores como pessoas e peças importantes da empresa, incentivando a abertura de ideias e possibilitando que cada um consiga exercer sua função intelectual/estratégica.

 

A principal commodity da Nova Economia não é a tecnologia, muito menos as matérias primas que estamos acostumados, é o cérebro humano.

 

 

 

 


Renato Mendes é sócio da Organica, professor de Marketing Digital do Insper, mentor Scale Up da Endeavor Brasil e colunista da Revista Época Negócios. Tem mais de 16 anos de experiência, sendo quase cinco como executivo da Netshoes onde ocupou o cargo de Head of Marketing & Communications for Latin America.

Comentários

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

© 2017 Organica. Todos direitos reservados. 123eSite