As 9 melhores Newsletters para você assinar e já checar a caixa de e-mail

Como você faz para se manter atualizado no decorrer do dia? Antigamente era costume acompanhar diariamente o jornal pela manhã acompanhado de uma xícara de café. Dessa imagem na mente a única coisa que às vezes continua a mesma é o café.

Agora não há mais um horário para se consumir informação. A era da tecnologia diz que qualquer momento é o ideal, e ideal mesmo é se adaptar a essa era. Sabendo que o futuro é agora separamos nesse post uma lista com as 9 melhores newsletters para você assinar agora mesmo e ficar por dentro das notícias em qualquer lugar, mesmo que seja simplesmente enquanto toma uma deliciosa xícara de café pela manhã. Confira!

Insidly.io

Por meio da Insidly é possível ter acesso a uma gama de temas diferentes e se manter atualizado no que diz respeito às principais tendências do mercado, fintechs, inovações e tecnologia no mesmo lugar. Uma ótima alternativa se sua dúvida é qual dentre as inúmeras newsletters utilizar.

The Verge

O The Verge é uma das newsletters ideais para se ter acesso à informações quando o assunto é tecnologia e gadgets. Existente desde 2011, ela possui a missão de abordar esses temas ao mesmo tempo em que faz uma análise sobre a mudança que a tecnologia causa na vida das pessoas hoje (em inglês).

The Brief

O The Brief se define como uma newsletter diária que fala sobre tecnologia e negócios. Opinião, análises e notícias sobre o mais importante de cada um desses dois mundos são promessas que a newsletter faz, tudo regado a uma excelente e bem humorada abordagem.

Brazil Journal

Negócios, economia, tecnologia e afins em uma só newsletter, esse é o Brazil Journal. Além disso, ele oferece as cotações diárias do mercado de ações em tempo real, assim como taxas de câmbio que tem um efeito direto no seu bolso.

The Shift

The Shift é um veículo online independente que possui o compromisso com os fatos e com a liberdade de imprensa. Isso significa uma maior imparcialidade dos colunistas e maior variedade nas notícias divulgadas por eles (em inglês).

Meio

Similar ao The Shift, o Meio também é um veículo de notícias independente. Os temas dele variam de política a variedades, e as notícias chegam no e-mail cadastrado pelo usuário no formato de pílulas diárias.

TechCrunch

Direto de São Francisco, terra onde as novidades são praticamente pioneiras, temos o TechCrunch, que nada mais é que uma das newsletters mais conhecidas no meio comercial cujo foco é tecnologia e sua indústria. A newsletter possui vários segmentos para que você receba sempre o que é do seu interesse (em inglês).

Think with Google

O nome por trás dessa newsletter dispensa apresentações. Disponível em mais de 20 idiomas, o Think with Google é um canal de informações voltado para marketing e criatividade. Além disso, sua proposta é dar o insight de como grandes marcas pensam e como elas realizam suas campanhas.

Essa é uma daquelas newsletters que vale a assinatura.

News Organica

Às terças-feiras enviamos uma newsletter repleta de links com conteúdos sobre o que ler, assistir e ouvir sobre a Nova Economia, Evolução Exponencial, Transformação Digital e Mindset de Startup. Esta é a News Organica, ideal para quem quer uma dose semanal de inspiração em seu cotidiano.

A nova era da informação pede agilidade e conhecimento em grandes quantidades. Ela requer que as pessoas fiquem antenadas com as novidades do mercado que elas têm interesse e às vezes pede que elas saibam mais do que apenas seu mercado de experiência.

Essa seleção de newsletters foi apenas o pontapé inicial para que você possa descobrir novas formas de se informar e começar a pensar fora da caixa. Esperamos que com essas dicas sua estratégia de negócios passe a ganhar novas perspectivas. Caso tenha ficado alguma dúvida ou deseje tecer algum comentário, compartilhe com a gente! Teremos prazer em te ouvir. Até a próxima! 

FOMO no SXSW: 8 dicas para vencê-la em grandes festivais

Enquanto você faz a leitura deste artigo, milhares de novas informações estarão surgindo por aí. Em uma época tão conectada quando a nossa é normal ter a sensação de estar perdendo muita coisa. E este é o tema do texto de hoje. Continue a leitura e confira!

Afinal, o que é FOMO?

‘Fear of missing out’ é o medo de ficar de fora e atinge muitos participantes de grandes festivais como o SXSW. A expressão foi cunhada em 2000 pelo estrategista de marketing norte-americano Dan Hermanse e está totalmente relacionada com o nosso mundo superconectado. As redes sociais acabam potencializando as sensações de FOMO.

Mesmo que você utilize toda a inteligência artificial disponível para montar sua agenda com as tracks que te interessam no SXSW não vai dar assistir tudo. O maior festival de inovação do mundo também pode ser a porta para a ansiedade, nervosismo e preocupação com tantas tendências em inovação e tecnologia apresentadas ao mesmo tempo.

Dicas para driblar a FOMO no SXSW:

1. Use o app SXSW Go

O aplicativo é oficial do Southby e por lá você pode marcar todos seus favoritos. Desse modo, você vai criar um mapa de coisas interessantes em potencial, o que facilitará sua escolha. Já no dia do evento você verá no app as salas que tem sinal verde, amarelo e vermelho com a indicação da lotação em tempo real.

2. Pesquise sobre os speakers

Palestras com títulos lindos não são garantia de bons conteúdos. Caso você não conheça o histórico do palestrante, pesquise e veja se já há algum talk dele na internet, se já publicou algum livro, a empresa que trabalha, etc. Crie planos A, B e C para cada sessão, levando em consideração, é claro, as filas e o tempo de deslocamento. Outra coisa: ficou 5 minutos na palestra e não está gostando? Saia e vá ver outra.

3. Priorize o que você realmente quer ver

As necessidades são limitadas e os desejos infinitos. Priorizar certas atividades faz a gente eliminar outras que não tem o mesmo grau de importância. Decida quais suas prioridades e foque nelas.

4. Reserve um tempo para você

Não fique só no seu grupo, se misture no festival. Se não for pedir demais, não fique só entre os brasileiros. Esteja aberto ao novo de forma tranquila.

5. Confie na diversidade

Viaje com pessoas com backgrounds variados, que vão te oferecer visões novas sobre o festival. O SXSW é o lugar ideal para você aprender sobre assuntos que nem sabia que existiam. Se for sozinho não tem problema, converse com estranhos.

Todos os anos criamos um canal oficial pelo WhatsApp entre nosso grupo, com conteúdos dos principais palestrantes, truques do SXSW, preparações para a viagem e trocas.

6. Planeje-se com antecedência e faça uma curadoria do que te interessa

Em um evento com tamanha carga de conteúdo simultâneo, sem dúvidas o maior desafio é fazer a curadoria do que assistir, mas existem alguns truques para facilitar sua seleção. Você precisará dedicar tempo para definir seus focos para o festival e montar a sua agenda. Você pode seguir dois métodos: o CDF, para ver o máximo de palestras possíveis, ou o relax, tirando um tempinho para aproveitar a cidade e as experiências que surgirem pelo caminho.

Só não siga uma única trilha de palestras. O mais legal do SXSW é poder variar as sessões e expandir os horizontes. E planeje-se para além delas. Ainda que você escolha o método CDF, visite as ativações em casas e faça atividades noturnas.

A curadoria individual possui diversos benefícios para otimizar seu tempo e driblar sua FOMO. Nós aqui na Organica montamos uma curadoria de experiências especializada com cada integrante do nosso grupo para potencializar sua vivência no SXSW. A partir de uma conversa, indicamos os speakers e temas que vemos que serão mais relevantes para cada profissional.

7. Prepare-se para o pós-festival

Saímos do SXSW com um repertório gigante de informação. São tendências, reportes, pesquisas, livros e ideias para saírem do papel. O evento Tendências SXSW 2020 vai te ajudar a fazer download dos principais conteúdos do SXSW e discutir as principais tendências que afetarão o seu negócio. Na volta do SXSW sempre publicamos diversos materiais como as sessões do SXSW que você ainda pode (e deve!) ouvir em casa e o Relatório de Tendências SXSW 2019.

8. Conecte-se ao seu tempo presente

Focar na experiência no SXSW nos ajuda a distinguir o que é realmente enriquecedor daquilo que só provoca um prazer momentâneo. Sentir prazer é bom, mas melhor ainda é viver com calma o momento. Drible a ansiedade e viva a JOMO (‘Joy of missing out’ – felicidade em ficar por fora, em tradução livre). O SXSW é um festival no qual toda experiência é válida.

O SXSW tem tantas oportunidades que é inadmissível que você deixe sentimentos como a FOMO te atrapalhar. Assim como no nosso dia a dia perdemos e ganhamos a todo minuto. Não deixe a FOMO te vencer e ‘Joy of missing out’!

Acesse este link para saber mais sobre a nossa viagem em grupo com curadoria individual para o SXSW 2020.

O futuro é agora: conheça a Transformação Digital

Você está por dentro do conceito de transformação digital? Transformação digital nada mais é do que quando empresas utilizam a tecnologia para otimizar seu desempenho e garantir resultados melhores nas tarefas que exercem. Transformação Digital é a percepção que a empresa precisa mudar. Isso significa transformar a estrutura dessas empresas tornando a tecnologia uma peça principal.

Não se engane, há quem pense que essa transformação envolve basicamente melhorar a experiência do cliente a longo prazo. Essas pessoas não poderiam estar mais enganadas.  A transformação digital é pra ontem e é um caso de sobrevivência para as empresas que desejam permanecer vivas. A Transformação Digital é uma necessidade urgente para quem ainda vive dentro da Velha Economia.

Fizemos este artigo para que você fique inteirado das principais novidades sobre o tema. Continue lendo e confira!

Lidando com a transformação digital

Aos poucos, o resultado da transformação digital tem mostrado o seu impacto na sociedade. E com isso é cada vez mais evidente a importância de ter esse modelo de inovação nos negócios.

E qual é de fato o impacto da transformação digital na vida das pessoas? Maior velocidade de comunicação e melhor movimentação de volume de dados são alguns pontos. Sem dúvidas a vida tem sido mais fácil em diversos pontos do que há 50 anos, e isso graças aos efeitos da transformação digital.

A transformação digital é uma resposta da disrupção das startups

As startups não fazem parte da jogada: teoricamente elas nascem prontas e são naturalmente disruptivas. Elas entenderam antes de todo mundo que precisavam ser inovadoras e transformaram isso em uma vantagem competitiva. E a transformação digital nada mais é do que uma resposta ao que elas criaram. Se a sua empresa está pensando em fazer a transformação digital é porque ela já está atrasada. Não espere mais tempo!

Poder do consumidor

Houve uma grande mudança na maneira como nos conectamos com os clientes hoje em dia. Há muito mais interação e comunicação é uma via de mão dupla. Além de imponderados, os clientes estão mais influentes.

UX é a experiência que usuário faz de produtos e/ou serviços digitais, e é usada para aprimorá-los cada vez mais. O poder do consumidor hoje em dia é enorme, e novas soluções para problemas que não existiam antes precisam ser criadas da forma mais rápida e descomplicada possível.

A palavra é ousadia

Além de saber inovar, também é preciso saber ousar quando se lida com os resultados e possíveis impactos da transformação digital. Ter coragem para seguir em frente mesmo quando aquilo que é proposto parece de alto risco. Não ter tempo para refletir sobre as possíveis consequências de decisões, pois o tempo é curto.

A transformação digital no geral é bem mais do só que criar um site e uma página no Facebook ou no Instagram para a sua empresa. É preciso vivê-la em cada passo. Essa era pede líderes que pensem rápido e sem medo de errar. Que saibam que para a inovação acontecer, antes de qualquer coisa deve existir esse estágio da ousadia.

Marketing Digital X Marketing Analógico

Quando falamos de transformação digital é inevitável falar também sobre os novos rumos que o marketing tem tomado. Já falamos anteriormente sobre as diferenças entre marketing digital e analógico em uma entrevista do Canal Futura com Renato Mendes, sócio e co-fundador da Organica.

Houve diversas mudanças no mercado com a chegada do digital, como a própria estratégia do marketing, o que fez balançar as estruturas de muitas equipes. Tanto o digital quanto o analógico possuem suas vantagens, mas é inegável que o marketing digital é capaz de oferecer bem mais que sua contraparte. O ideal mesmo é unificá-los e tirar a melhor parte de cada um deles.

A cada dia que passa, a transformação digital é cada vez mais recorrente na vida das pessoas. Grandes impérios têm desmoronado e ficado à deriva por não saber como fazer essa transição e se adaptado a essa nova era digital. É o que Renato Mendes e Roni Cunha Bueno abordam no livro Mude ou Morra.

O futuro é para agora, e como diz o título do livro, agora é a hora é mudar ou morrer. Acompanhe a gente e comece a mudança do seu negócio! Caso tenha ficado com alguma dúvida compartilhe com a gente na seção de comentários. Até o próximo post!

[Ebook] Insight-Driven: Entenda como gerar vantagem competitiva através do uso produtivo de dados

O volume de dados disponíveis para empresas cresceu bastante na Nova Economia. Tanto em quantidade quanto em complexidade. Apesar disso, o uso produtivo dos dados no dia a dia das empresas fica abaixo das expectativas.

Para entender sobre o uso de dados e o significado do termo Insight-Driven, o Felipe Ladislau, especialista em negócios da Organica, elaborou um Guia Prático com diversas dicas para ajudá-lo a entender um pouco mais sobre o assunto.

>> Clique aqui para fazer o Download gratuito do Ebook <<

Algumas das perguntas respondidas no Guia:

>> Qual a importância das decisões orientadas por dados? 

>> Qual a vantagem competitiva com o uso produtivo dos dados? 

>> O que te impede de começar hoje?

>> Você sabia que ser Data-Driven já não é mais suficiente?

>> Será que sua empresa deve se preocupar em ser Data-Driven?

Chegou o momento de um upgrade para o insight-driven! Existe muito foco no dado e pouco se fala da compreensão e do seu uso. Vamos mudar isso? Baixe o Ebook sobre Insight-Drive e saiba como! Boa leitura!

Como entender o comportamento e as necessidades do cliente

Antigamente a função fundamental de um cliente para uma empresa era manter o capital entrando e o consumo acontecendo. Não importava muito como ele se sentia no fim das contas, bastava ele comprar. Compre, compre, compre. O tempo mudou e agora é bem mais difícil impactar um cliente. Ele possui uma visão bem mais crítica do que consome, e nem sempre a infinidade de meios para influenciá-lo é suficiente. Estamos falando dos outdoors existentes nas ruas, comerciais de TV, banners e posts na internet e redes sociais. As necessidades do cliente agora ultrapassam o mero adquirir coisas.

Fidelidade a marcas ou lojas já não existem mais como antes. Hoje em dia é tudo mais uma questão de ideologia ou simplesmente no que o cliente acredita ser melhor para si no momento. E ao contrário do que parece, no fim das contas essa falta de fidelidade pode ser melhor para os negócios do que sugere.

Com o advento das redes sociais, cada usuário é um influenciador à parte, capaz de afetar sua bolha e disseminar sua opinião para aqueles que o seguem. Isso praticamente aposenta aqueles vendedores insistentes que não sabem o que oferecer e por isso metralham seus alvos com abordagens desnecessárias. O objetivo desse post é fazer com que você entenda o comportamento e as necessidades do cliente. Continue lendo saiba como entendê-las!

Pesquise

Uma das formas mais fundamentais na hora de entender as necessidades do cliente é fazer pesquisas sobre ele. Realize levantamentos sobre seus clientes, como idade, sexo, grupo social e redes mais utilizadas. Com esses dados em mãos, é possível entender seu público-alvo e quais as suas necessidades, e assim elaborar um perfil. Desse modo nascem as personas. Uma persona nada mais é do que o cliente ideal para o seu negócio, e aquele para qual esforços devem estar voltados.

Pense como eles

Com o perfil de seus clientes em mãos, é possível entendê-lo. E é possível se perguntar quais as motivações que os levam a comprar determinados produtos ou serviços que você oferta. Esse é um exercício que aos poucos faz com que você tenha identificação com eles e gere empatia. Tendo essa empatia é muito mais fácil identificar as necessidades do cliente e tomar decisões tidas como “arriscadas”.

Feedbacks valem ouro

O retorno que o cliente lhe dá é o parâmetro que você tem para saber se seus produtos devem ou não ser melhorados. E, mais do que gerar dados, a atenção que sua empresa dá aos feedbacks recebidos gera uma percepção positiva da marca. Ao se importar com esses feedbacks, sua empresa mostra que a opinião dos clientes importa. É de vital importância que para isso você também os incentive a participar, seja em suas redes sociais ou em qualquer outro canal de comunicação.

Diálogo

Saber começar um diálogo é tão importante quanto saber mantê-lo. E para isso é preciso saber segmentar suas comunicações entre os diferentes níveis de necessidades do cliente. Mais que isso, a comunicação precisa ser constante, abrangendo o pré, o durante e o pós venda. E é por isso que dividir seus leads em categorias é tão relevante.

Saber começar um diálogo é tão importante quanto saber mantê-lo. E para isso é preciso saber segmentar suas comunicações entre os diferentes níveis de necessidades do cliente. Mais que isso, a comunicação precisa ser constante, abrangendo o pré, o durante e o pós venda. E é por isso que dividir seus leads em categorias é tão relevante.

Mantenha sua marca saudável

O cliente tem o poder de levantar uma marca ou derrubá-la. Como falamos anteriormente, cada cliente é um influenciador em potencial, e por isso possui o poder de influenciar no mínimo mais um cliente. Outro ponto de atenção é que você deve manter um planejamento do começo ao fim. Sua marca só deve realizar mudanças de estilo em casos ímpares que não arrisquem a integridade dela.

Entender o cliente é mais um exercício de empatia do que o resultado de uma forma matemática altamente elaborada. Nos tempos atuais ele sabe bem o que quer e da forma que quer. De mero personagem secundário ele tem tomado cada vez mais o papel de protagonista da Nova Economia. E aqueles negócios incapazes de entender as necessidades desse novo tipo de cliente morrerão na praia. Por isso, é importante saber o que ele quer. Tornar sua marca uma referência no mercado.

Esperamos que com essas dicas fique mais fácil saber o que oferecer aos seus clientes. Caso tenha ficado alguma dúvida ou observação comente-a nos comentários abaixo. E compartilhe este artigo com seus amigos nas redes sociais clicando nos links. Até a próxima!

China influencia cada vez mais a experiência ocidental. E talvez você não saiba disso!

Antigamente a maior referência que tínhamos da China era quando um ou outro personagem estereotipado aparecia na tela da televisão, entregando sua nacionalidade ao público. Geralmente esse personagem servia de alívio cômico, e não muito mais que isso. Hoje em dia as coisas são bem diferentes, já que a China influencia a experiência ocidental e é tida a como uma das maiores economias do mundo – e a que mais cresce.

Agora dê um Google e faça uma pesquisa rápida para ver qual o maior parceiro comercial do Brasil. Você vai ver que a China lidera esse ranking, seguido pelos Estados Unidos, depois a Argentina e a Alemanha. A economia chinesa aos poucos mostra seus tentáculos: apesar da empresa chinesa de softwares Huawei ter uma presença ainda tímida no Brasil, ela já desponta no globo como um forte concorrente capaz de competir com gigantes como a Apple. O antigo Made in China é o novo Created In China.

Como já dissemos aqui, a China tem grandes planos de ser a maior economia do mundo até 2030. A influência cresce mais e mais. Apesar de bem diferentes, China e Brasil compartilham de muitos fatos em comum, e a China por si só tem influenciado cada vez mais a experiência ocidental no mercado tecnológico. Continue lendo e veja como essas influências têm aparecido:

Facebook está se inspirando no WeChat

Caso você não reconheça o nome, o WeChat é um aplicativo similar ao Whatsapp para compartilhamento de mensagens instantâneas. Mas ele vai além. No app é possível encontrar de tudo e até mesmo pagar a conta do restaurante antes de ir até ele. O WeChat foi desenvolvido na China no ano de 2011 e desde então é um dos maiores representantes na sua categoria.

Sabendo disso, o WhatsApp tem replicado algumas de suas maiores funcionalidades e pretende passar a oferecer pagamentos dentro da plataforma. A primeira onda de testes foi realizada na Índia. Graças a isso, em breve o Whatsapp promete ser uma fintech de referência no mercado.                                                                                                                                                                                    

Tencent e Nubank

Recentemente a chinesa Tencent se tornou a grande investidora do Nubank.  A empresa é responsável pelo maior portal de serviços de internet da China. E no ano de 2018 ela realizou o investimento de U$ 180 milhões na startup brasileira. Isso porque o Nubank acabou por se tornar o maior banco digital do mundo, já que foi avaliado em surpreendentes U$ 4 bilhões. Este investimento é uma grande oportunidade que a Nubank tem de trazer novidades da Ásia para terras brasileiras, além de estreitar ainda mais os laços entre China e Brasil.

99 e Didi

Quando se fala em investimentos, China e Brasil compartilham diversas experiências. Uma delas é a injeção de um capital de R$ 320 milhões na brasileira 99 feita pela chinesa Didi. A Didi é uma plataforma de transporte que opera por meio de aplicativos ao redor do mundo. Este investimento é um evento que promete mudar a dinâmica do setor. Com ele, a 99 pretende expandir seus serviços no Brasil, no serviço 99 Pop, de carros particulares.

Itaú e Iti

Recentemente o banco Itaú anunciou o lançamento de uma nova plataforma digital de pagamentos. A tecnologia foi batizada de Iti, e entre outras coisas dispensa a necessidade de possuir uma conta bancária. Além disso, ela também usa a funcionalidade QR Code, muito utilizada na China. O Iti é uma inspiração clara é a forma de pagamentos que o WeChat utiliza no mercado chinês. O Itaú já estuda no futuro ampliar sua gama de serviços ofertados pelo Iti.

A China é um país com uma série de extremos em sua cultura. De potência comunista a grande promessa de abertura de capital, a nação teve uma mudança estelar. Muito dessa mudança tem sido à custa de seu povo, que recebe muitos incentivos do governo, mas passa por jornadas de trabalho que beiram a exploração. Nem tudo são flores em sua cultura, e muito há para se avaliar e ponderar. Esta é uma novela que possui uma série de episódios ainda por serem revelados. Então, não perca os próximos capítulos!

Gostou do texto? Existe mais alguma interação entre China, experiência ocidental e Brasil que e você acha que faltou mencionar? Deixe sua opinião na sessão de comentários!

5 livros brasileiros sobre inovação para você ter na estante

A internet evoluiu bastante com os anos e pode ter trazido uma alta carga de velocidade e informação ao nosso dia a dia, mas ela nunca conseguirá tratar com a profundidade que certos assuntos pedem e nem mesmo dar a verdadeira importância que eles necessitam. A melhor maneira para você se manter informado sobre um tema ainda é com um bom livro, sendo físico ou digital. Faz toda a diferença ter contato com um material completo voltado para a sua área de interesse. E foi pensando nisso que resolvi falar sobre alguns livros brasileiros sobre inovação do mercado para aprimorar seu know-how. Confira!

1. Pense Simples – Gustavo Caetano

O empreendedor Gustavo Caetano, fundador da Samba Tech e uma das mentes mais inovadoras do país, começou a empreender quando tinha apenas 19 anos e conseguiu transformar sua startup mineira na líder em soluções para vídeos online na América Latina. Ele aprendeu a mudar o rumo do seu negócio para continuar crescendo e em 2017 publicou Pense Simples, um livro que traz reflexões sobre inovação e criatividade a partir da sua própria experiência empreendedora.

A inovação é o segredo para um negócio de sucesso, mas por onde começar? Segundo Caetano, inovar é mais simples do que parece. Ao longo de dez capítulos a obra traz dicas práticas sobre como tirar as ideias do papel e seguir em frente com suas ideias. Também são propostos alguns exercícios e disponibilizados alguns materiais complementares com dicas para empreender com sucesso.

2. Bora Vender – Alfredo Soares

O recém-publicado livro de Alfredo Soares mostra que é preciso fazer, errar, aprender e refazer rápido para ser inovador. Bora Vender traz a ideia de que todos nós somos vendedores, ainda que não nos achamos bons para as vendas. Para Alfredo, sócio-diretor da VTEX, a maior plataforma de e-commerce da América Latina, vender é encantar, conquistar, fidelizar e alinhar os interesses com as pessoas.

O livro ensina que para dominar a técnica das vendas é preciso deixar de ter medo de vender para então conseguir criar as oportunidades que o negócio precisa, parar de adiar o primeiro passo nos projetos, manter o foco para pensar grande e executar maior ainda. É preciso criar uma marca forte que ofereça uma solução realmente eficaz para o seu público-alvo.

3. Nada Easy – Tallis Gomes

A Evolução Exponencial é um desejo de muitos empreendedores brasileiros. E pode ser um desafio ainda mais complexo em um cenário hostil como o nosso. Não é Nada Easy, mas não é impossível segundo Tallis Gomes, que hoje é um empreendedor bem-sucedido. Em 2011, Tallis fundou a Easy Taxi e conseguiu escalá-la para 420 cidades em 35 países, apesar de ter vindo de uma origem muito pobre em uma cidade pequena e de não ter concluído a faculdade. Hoje, ele é CEO da Singu, o maior marketplace de beleza e bem-estar do Brasil.

Tirar uma ideia do papel é uma arte e não há fórmulas mágicas, mas Tallis apresenta o seu passo a passo para validar de forma correta uma ideia, abrir um empreendimento e fazê-lo crescer, sem desperdiçar tempo e recurso com algo que as pessoas não comprariam. Segundo ele, a maioria das pessoas tem medo ou são pessimistas ao ter uma grande ideia, mas tudo que elas precisam é de agir.

4. Obrigado pelo Marketing – Vitor Peçanha

Hoje está mais que reconhecido que o marketing de conteúdo é fundamental na vida de empresas de todos os tamanhos e segmentos.  Sem dúvidas, o livro Obrigado pelo Marketing é o guia mais completo sobre o assunto. Na publicação,Vitor Peçanha conta seus aprendizados à frente da Rock Content, a maior empresa de marketing de conteúdo do Brasil.

A Rock nasceu no San Pedro Valley em Belo Horizonte e foi de zero de faturamento a mais de 25 milhões em apenas quatro anos. Hoje conta com mais de 250 funcionários e milhares de clientes. Além de referência nacional em marketing de conteúdo, Peçanha faz diversas palestras pelo Brasil e já teve mais de 40 mil alunos em seus cursos online.

5. Mude ou Morra – Renato Mendes e Roni Cunha Bueno

O último da lista, mas não menos importante é Mude ou Morra, livro escrito pelos sócios da Organica Renato Mendes e Roni Cunha Bueno. Eu não poderia deixar de menciona-lo no Blog da Nova Economia, porque ele é o guia ideal para que os profissionais surfem na onda da Nova Economia e redesenhem suas carreiras e empresas.

Renato e Roni viveram a Nova Economia por dentro. O ex- Head of Marketing e Comunicação e o ex-VP da Netshoes, que foi reconhecida como o maior e-commerce esportivo do mundo, viveram na prática as mudanças para a Nova Economia. Na obra, eles ensinam a criar um negócio do zero, a empreender dentro de uma grande corporação e a descobrir o mindset das startups vitoriosas.

E aí, o que achou da lista de livros brasileiros sobre inovação do mercado? Vivemos em um mundo em que cada vez mais será preciso inovar – e se atualizar. Espero que as dicas de hoje tenham sido úteis para você. Compartilhe conosco nos comentários outra obra que não foi mencionada aqui. Até a próxima!