Entenda porque o governo tem papel fundamental na dominação chinesa

“Filia-se ao Partido e construa seu negócio”. Se você acompanha nossos stories certamente viu esta imagem de um industrial park de Shenzhen. Muitos dizem que a China não é mais comunista, outros que o país pratica um Comunismo Capitalista.

Fato é que a China continua a ser um país politicamente comunista: O Partido controla todas as terras e a economia do país. “One Belt, One Road” é a Nova Rota da Seda chinesa, que pretende promover a liberalização da economia e a facilitação do comércio até 2050.

Eu estou na China há 10 dias e mudei a minha percepção de muitas coisas por aqui. Neste artigo relato alguns dos principais pontos da relação entre governo e das empresas para a disseminação da dominação chinesa.

One Belt, One Road

A iniciativa é um enorme acordo comercial que visa conectar os investidores chineses na Rota da Seda, histórica rota de comércio chinesa, para o desenvolvimento de infraestrutura e investimentos em países da Europa, Ásia e África. Remodelada com novas rotas marítimas, “One Belt, One Road” também quer melhorar a conectividade da região, que é gigantesca e atingirá 4,4 bilhões de pessoas!

Desse modo, a China, como grande protagonista deste acordo, vai impulsionar o domínio chinês no mundo. Ela acredita na globalização, mas visa em um interesse coletivo. Por isso, o país quer estar no centro, fornecendo insumos, tecnologia e diminuição das tarifas alfandegarias.

Greater bay area

Em outubro de 2018, a China inaugurou a maior ponte marítima do mundo, ligando Hong Kong, Macau e a China continental. A enorme estrutura conta com 55 quilômetros de comprimento. O Plano Greater Bay Area tem como grande objetivo a construção de um Vale do Silício maior do que o original norte-americano.

Partido Comunista nos Negócios

Até então, as pessoas por aqui não tem a mesma noção de democracia que a gente e trabalham em estruturas bem hierarquizadas. Muitos grandes empresários fazem parte do Partido Comunista.

 As províncias chinesas têm metas de market share que querem alcançar, metas até políticas. O governo identifica as áreas que precisa desenvolver e investe pesado nelas. Shangai é um importante polo financeiro. Beijing é político. Já Shenzhen é de hardware e inovação. O governo tem papel fundamental na dominação chinesa.

Industrial Parks

Os industrial parks são polos dentro das cidades chinesas focados dentro da vertical de uma indústria, sendo focados em tecnologia, software, health etc. Visitei um industrial park de tecnologia no distrito de Nanshan. Ele foi construido há mais de 10 anos e conta com empresas como Tencent, Microsoft e Alibaba. O Industrial Part tem mais de 30 aceleradoras e 200 VCs.


Industrial Park de Nanshan.

Só em Shenzhen são mais de 3 mil industrial parks, que podem ser desde um prédio até quadras e mais quadras. Sem contar que existem parques públicos e privados.

Este tipo de inovação beneficia os habitantes da China como um todo e também o governo. Já falamos dos planos da China, a nação que mais investe em Inteligência Artificial. Mais do que todos os outros países juntos. E quais um dos principais benefícios da AI? Segurança. Veja só o exemplo dos drones…

Você conhece a RISE Conf 2019, a maior tech conference da Ásia?

A maior tech conference da Ásia certamente será uma das maiores do mundo com a dominação chinesa. Falamos dos panos da China, o país que mais cresce no mundo, de se tornar a maior economia do mundo até 2030 neste outro artigo aqui. Dos mesmos criadores do Web Summit em Lisboa, um dos maiores eventos de inovação da Europa, a RISE Conf de Hong Kong conta com mais de 15 mil participantes de 100 países e 350 palestrantes.  Continue a leitura e conheça no artigo de hoje um pouco mais sobre a promissora RISE Conf!

Rise Conference

Em julho de 2019, integrantes das maiores empresas e startups do mundo se reunirão para compartilhar suas histórias e experiências nos quatro dias de RISE Conf. O evento conta com  palestrantes e líderes que estão à frente das principais mudanças que acontecem no mundo.

A Rise oferece uma experiência única para os participantes. Centenas de produtos são vendidos, diversos investimentos são fechados e mais de trezentas palestras acontecem na feira.

Conheça alguns dos palestrantes da RISE Conf

1. Cecilia Qvist

Chefe Global de Mercados no Spotify

Como chefe global de mercados do Spotify, Cecilia Qvist supervisiona os esforços de expansão internacional e localização de produtos do serviço de streaming. Cecilia está focada no crescimento de 207 milhões de ouvintes globais do Spotify e 96 milhões de assinantes no mundo todo.

2. Elie Seidman

CEO na Tinder

Elie Seidman é o CEO do Tinder. Anteriormente, Elie atuou como CEO da OkCupid. O CEO é formado em engenharia pela Universidade da Pensilvânia.

3. Thuan Pham

CTO na Uber

Thuan Pham é diretor de tecnologia da Uber. Ele levanta a bandeira que o trabalho duro pode ser realmente divertido e que o sucesso é mais viável com uma equipe talentosa, que está altamente alinhada e coesa. Pham está escalando a equipe de engenharia da Uber para enfrentar os desafios que surgem com o rápido crescimento da empresa.

4. Divya Gokulnath

Co-fundador na BYJU’S

Divya Gokulnath é co-fundadora e professora do BYJU’S- The Learning App. Ela também lidera o marketing e o suporte da marca no BYJU’S. Desde o início, o foco da Divya foi criar experiências de aprendizado únicas e personalizadas para alunos de todas as séries.

5. Min-Liang Tan

Co-fundador e CEO da Razer

Min-Liang é o co-fundador e CEO da Razer, líder mundial em estilo de vida para gamers. O hardware premiado da Razer abrange desde periféricos para jogos de alto desempenho até a plataforma de software e notebook para jogos Razer Blade, com mais de 35 milhões de usuários.

6. Daniel Kirchert

CEO na Byton

O Dr. Daniel Kirchert é um dos executivos mais experientes da indústria automobilística premium da China. Antes de fundar a BYTON, ele adquiriu ampla experiência em operações, desenvolvimento de negócios, marcas e muito mais na Infiniti China e na BMW Brilliance.

7. Jessica Spence

Chief Commercial Officer na Carlsberg

Desde 2015, Jessica Spence lidera as funções de Vendas, Marketing e P & D da Carlsberg globalmente. Antes da Carlsberg, Jessica ocupou cargos tanto com agências quanto com outros grandes grupos globais.

8. Lei Chen

CEO na Xunlei

Lei Chen é CEO da Xunle. Antes de ingressar na Xunlei em 2014, Chen foi o presidente da Tencent Cloud. Ele também trabalhou no Google e Microsoft nos EUA. O CEO se formou na Universidade de Tsinghua e possui mestrado pela Universidade do Texas em Austin.  Em 2017, ele ganhou o prêmio de Líder Anual da Global Blockchain. Em abril de 2018, foi convidado para falar na Conferência Anual da Boao Forum for Asia e compartilhou opiniões sobre computação compartilhada e inovação de blockchain.

9. Jing Ulrich

Diretor Administrativo e Vice-Presidente da Asia Pacific na JP Morgan

Jing Ulrich é Diretor Executivo e Vice-Presidente da Asia Pacific no JPMorgan Chase. Ela fornece consultoria estratégica para os clientes globais mais importantes da empresa em todos os setores e classes de ativos.

10. Alex Chung

Co-fundador na GIPHY

Alex Chung é o fundador e CEO da GIPHY. Anteriormente, ele era um Hacker in Residence na Betaworks e dirigiu tecnologia de mídia para a MTV, Viacom e Comcast. Ele é um empreendedor em série cujos projetos anteriores incluem o The Fridge (adquirido pelo Google).

Hong Kong

A RISE Conf 2019 acontece em Hong Kong. O território funciona com suas próprias leis e governo próprio dentro do território chinês. São 7 milhões de habitantes na cidade que é um dos mercados financeiros mais ativos e dinâmicos do planeta e um dos mais internacionais do oriente. As mais de duas mil startups fazem de Hong Kong um dos maiores centros financeiros da Ásia.

Queremos ver toda esta dominação chinesa de perto. Por isso, de 7 a 14 de julho nós da Organica vamos até a RISE Conf 2019 e outros destinos na China. E você pode fazer parte do nosso grupo.

Quer participar com a gente do maior evento de inovação da Ásia? Clique no link abaixo e saiba mais sobre a nossa Imersão China!

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 3ed3eb9d-b9c8-4a6d-83d9-712f4131216c-1.jpg




O que vimos de China no SXSW 2019, o maior evento de inovação do mundo

Muito se falou sobre China no SXSW, que ocorreu em março em Austin, capital do Texas. Antes de irmos para o Southby deste ano já havíamos falado para os participantes do nosso grupo ficarem de olho em qualquer coisa que falarem de China. A dominação chinesa está acontecendo. A China é a segunda maior potência mundial e tem grandes planos de se tornar a maior economia do mundo até 2030!

A ascensão da China

A China foi super mencionada no SXSW. E não poderia ser diferente. O país que tem mais unicórnios do mundo, startups avaliadas em mais de US$ 1 bilhão, tem um potencial de execução tão rápido que está liderando grande parte das transformações em tecnologia e inovação.

A nação está crescendo em diferentes mercados. Amy Webb, uma das pessoas mais respeitada no mundo da futurologia, mostrou que o país não está se desenvolvendo somente com Inteligência Artificial em sua sessão deste ano no SXSW. A China é um importante polo de inovação em vários segmentos, como Cidades Inteligentes e Fazendas Subterrâneas.

Você pode conferir o Tech Trends Report 2019 da Amy Webb clicando aqui.

E conhecer no artigo de hoje as principais inovações discutidas sobre a China no SXSW 2019. Continue a leitura e confira!

Inteligência Artificial

O país que mais cresce no mundo também é a nação que mais investe em Inteligência Artificial. Mais do que todos os outros países juntos. A maioria dos gastos com anúncios na China já é digital. E atualmente 48% dos investimentos em startups de IA vêm da China.

Atendimento de lojas, restaurantes e até em rituais fúnebres são realizadas com a ajuda de robôs por lá. A China está construindo uma cidade três vezes maior que Nova York com as mais recentes tecnologias e inovações do mundo.

Confira estas duas sessões do SXSW 2019 disponíveis no Soundcloud:

>> How AI is Changing Advertising in China

>> Entrepreneurship in China: Will they Eat Your Lunch?

Para mais sessões que você ainda pode (e deve!) ouvir em casa clique aqui.

Cidades Inteligentes

O desenvolvimento das smart cities chinesas começou em 2012. O grande objetivo do país foi incentivar o uso da tecnologia mais recente, como a inteligência artificial e a Internet das Coisas. Hoje, a China planeja criar 100 novas cidades inteligentes até 2020. As cidades inteligentes são áreas escolhidas a dedo para serem modelo de desenvolvimento em tecnologia, desenvolvimento, inovação e sustentabilidade.

Shenzhen é um dos grandes exemplos de cidades planejadas e inteligentes do mundo.  Já falamos neste outro artigo aqui: Shenzhen passou por um dos maiores booms de desenvolvimento tecnológico e é considera a primeira Zona Econômica da China.

Até o fim dos anos 1970, Shenzhen era uma pequena vila de pescadores com cerca 30 mil habitantes. Hoje, a cidade se tornou uma das mais ricas e tecnológicas do mundo, contando com mais de 10 milhões de habitantes e alguns dos edifícios mais modernos do mundo. Grande parte dos eletrônicos que utilizamos são fabricados por lá.

Corrida Espacial

No dia 2 de janeiro deste ano, a China passou a ser considerada o terceiro país a pousar uma sonda na Lua, tornando-se a primeira a fazer isso do lado oculto da Lua. E não é só isso. Ela travou uma corrida espacial para construir fazendas internas e habitáveis na Lua!

A chegada da sonda chinesa na Lua marcou um importante capítulo da corrida espacial entre China, Estados Unidos e Rússia. As startups na China estão recebendo investimentos para acumular um orçamento de US$ 8 bilhões na área espacial e enviar chineses para a Lua na década de 2030.

Além disso, os chineses estão construindo infraestrutura e redes de network entre Ásia e América Latina, por exemplo.

Pessoas x Máquinas

Segundo Amy Webb, metade das interações das pessoas com máquinas, em países desenvolvidos, será mediada por voz até 2021. Os celulares com interfaces digitais já estão perdendo mercado e os novos devices vêm ganhando força com reconhecimento facial e de voz.

A Sense Time, unicórnio chinês líder mundial em Inteligência Artificial, está desenvolvendo um sistema para carros autônomos que analisa o que o motorista está sentindo, prevenindo acidentes e fazendo com que o passageiro tenha uma melhor experiência a bordo. Já o carro chinês Byton Car é um exemplo de veículo sem chaves, telas e botões. Ele só pode ser usado através de reconhecimento facial, smart cameras e outros sensores.

Fazendas subterrâneas

As mudanças climáticas dificultam a cada dia mais a produção e entrega de alimentos. Em 3 décadas isso se tornará um problema ainda maior. Desse modo, novos métodos de plantio e tecnologias estão sendo estudados.

A China está desenvolvendo está investindo em produções indoor, nas fazendas subterrâneas. Nos galpões, os vegetais são produzidos em maior volume, gastando 99% menos água e 40% menos energia.

Muitas tecnologias desta nova potência mundial ainda estão por vir até 2030.

Viagem de conhecimento não é uma simples viagem de turismo

Viajar é transformador. “Navegar é preciso”, já dizia Fernando Pessoa. A sede de descobrimento é buscada por muitos, mas há grandes diferenças entre turistas e viajantes e entre viagem de turismo e viagem de conhecimento.

O turista aguarda ansiosamente suas férias para visitar lugares famosos e badalados. Já o viajante busca viver experiências fora do seu cotidiano. Ele vivencia boas doses de conhecimento em cada roteiro e contempla o mundo em busca de algo que encante seus olhos.

O que é uma Viagem de Conhecimento?

Quanto vivida de forma intensa, uma viagem pode nos ensinar muito mais do que aprendemos em cursos, workshops ou mesmo na universidade. Além de conhecimento de mundo, ela proporciona o autoconhecimento.

Por melhor que o roteiro tenha sido planejado, o ponto de chegada é completamente desconhecido. Nossa única certeza é que voltaremos da viagem completamente diferentes. É assim que funciona em uma viagem de conhecimento.

Uma viagem de conhecimento busca vivenciar experiências de aprendizado e enriquecimento pessoal. A viagem torna-se mais intensa por conta dos aprendizados vivenciados e independente do roteiro escolhido, cada destino proporciona profundas reflexões e interações, tanto com o ambiente quanto com as pessoas.

Como são as Viagens de Conhecimento da Organica?

Conteúdo, experiência e conexão são nossos guias na elaboração das viagens de conhecimento. Proporcionamos aos participantes uma transformação rápida, a troca valiosa entre pessoas que fazem e querem fazer e a elaboração de um plano de ação após a imersão.

As viagens de conhecimento da Organica não são simples viagens de turismo. Para nós, viajar é vivenciar uma experiência que vai muito além de estar nos lugares.  Buscamos transformar a viagem em experiências únicas para que os participantes enfrentem novos desafios profissionais e conheçam diferentes maneiras de ver e compreender o mundo ao seu redor. O grande propósito da área de conhecimento da Organica, que é a responsável pela organização das viagens, é transformar quem vai transformar o mundo.

As nossas viagens de conhecimento possibilitam aos participantes a união de experiências de negócios e inovação. Nossos roteiros são definidos com base nos maiores e mais transformadores eventos do mundo e incluem vivências, reflexões e debates pensados de acordo com os objetivos profissionais do grupo.

Os participantes fazem toda diferença nessas viagens. Afinal, o fator humano que rege a Nova Economia. Depois do roteiro definido, selecionamos e convidamos profissionais que buscam vivenciar uma experiência imersiva, coletiva e única para embarcar no nosso grupo.

Nossos especialistas também têm um papel fundamental nas viagens. Eles são os responsáveis por fazer a curadoria do conteúdo a ser transmitido aos viajantes, promovendo debate, integração, aprendizado e transformação entre os participantes.

South by Southwest

O South by Southwest, ou  SXSW como nós brasileiros gostamos de chamá-lo, é um dos maiores eventos de criatividade, inovação, inteligência artificial e interatividade no mundo. De 7 a 13 de março, fomos com um grupo de 50 pessoas para o Southby.  Austin se transformou na capital da inovação, da criatividade, da cultura, e também da contracultura.

Na edição de 2019 foram mais de 70 mil inscritos e 6,5 mil eventos (painéis, palestras, shows, demos, pitches, etc). E o Brasil bateu o novo recorde em números de inscritos, sendo a maior delegação estrangeira no SXSW, com mais de 1.600 participantes. Clique aqui para conferir como nossa cobertura diária durante o evento.


Parte do grupo incrível que embarcou com a gente para o SXSW 2019.

Imersão China

A Organica quer entender sobre a dominação chinesa de perto e de 7 a 14 de julho vamos em grupo visitar startups na cidade de Shenzhen, Vale do Silício Chinês, e participaremos da RISE Conference, a maior tech conference da Ásia, que vai acontecer em Hong Kong.

Temos muitos outros roteiros para explorar. Em setembro iremos para Israel, para conhecer as adversidades que favorecem o ecossistema mais valioso do mundo. Israel é considerada a nação das super-startups. Também criamos viagens de conhecimento personalizadas para grupos e empresas.

Você já vivenciou essa experiência única de transformar o prazer de viajar em conhecimento para todas as áreas da sua vida? Vamos embarcar juntos nessa?

Você conhece os planos da China para se tornar a maior economia do mundo até 2030?

A China não é só o país mais populoso – com 1,3 bilhão de habitantes, e o terceiro em extensão territorial.  É o país que mais cresce no mundo. Já falamos aqui: fique atento a qualquer coisa que tenha a ver com a China no SXSW. A China é a segunda maior potência mundial e está prestes a ocupar o posto dos Estados Unidos e se tornar a primeira. Sem contar que ela é a nação que mais investe em Inteligência Artificial. Mais do que todos os outros países juntos. Conheça os planos da China no artigo de hoje!

Só em 2018, a China exportou mais de US$ 5 bilhões em tecnologia de Inteligência Artificial (IA). E os planos para o país se tornar líder mundial no campo da inteligência artificial até 2030 e construir uma indústria de US $ 150 bilhões está a todo vapor.

A China já é o país com maior número de patentes no setor. E também com mais unicórnios (startups avaliadas em US$ 1 bilhão ou mais), apenas atrás dos EUA.  O governo chinês está investindo cerca de 7 bilhões na construção de um parque de pesquisa sobre inteligência artificial na capital Beijing.

Shenzhen, o Sillicon Valley Chinês

Shenzhen foi a primeira Zona Econômica da China. A cidade passou por um dos maiores booms de desenvolvimento tecnológico do mundo. E é reconhecida pelo seu espírito empreendedor e o mindset de “open innovation”. Muitos dos eletrônicos que a gente utiliza são fabricados lá.

Localizada no sul da China, Shenzhen era uma pequena vila de pescadores com 30 mil habitantes até o final dos anos 70. Trinta anos depois, Shenzhen se tornou uma das mais ricas e tecnológicas cidades. Hoje, conta com mais de 10 milhões de habitantes e alguns dos edifícios mais modernos do mundo.

Não é à toa que essa é uma frase muito popular entre os chineses: “Para ver o passado do país, vá a Pequim (Beijing). Para o presente, vá a Xangai. E para o futuro, você precisa ir a Shenzhen”.

Hong Kong

Hong Kong é um país que funciona com suas próprias leis e governo próprio dentro do território chinês. Com 7 milhões de habitantes, a cidade é um dos mercados financeiros mais ativos e dinâmicos do planeta e um dos mais internacionais do oriente. As mais de duas mil startups fazem de Hong Kong um dos maiores centros financeiros da Ásia.

Rise Conference

A RISE Conference acontece em Hong Kong e é disparada a maior tech conference da Ásia. São mais de 15 mil participantes de 100 países e 350 palestrantes, como o presidente da Microsoft, co-fundadores da Didi Chuxing e Hellobike e outros líderes que estão à frente das principais mudanças que acontecem no mundo.

A RISE é produzida pela mesma equipe do Web Summit, um dos maiores eventos de inovação da Europa. E em julho de 2019, pessoas das maiores empresas e startups do mundo se reunirão para compartilhar suas histórias e experiências nos quatro dias do evento.

Nós da Organica já estamos ansiosos para conhecer Shenzhen e participar da RISE Conference. Em julho vamos levar um time com a gente para mais uma viagem de conhecimento. Quer saber mais sobre a nossa imersão para China? Clique no link a seguir.