8 pontos observados por Andréa Dietrich no Web Summit 2019

A Andréa Dietrich dividiu um pouco sobre o que ela viu no Web Summit 2019 com a gente. Confira a seguir:

– A agenda do evento foi super equilibrada entre grandes players e startups. Ela gostou de ouvir speakers de empresas incríveis que não conhecia, como a StockX

– Para quem já acompanha digital e inovação, não teve grandes descobertas no evento, mas vale super a pena ir para entender o que está em pauta, mesmo com sessões tão curtas de 15 e 20 min.

– Muitos conceitos estão sendo questionados como o tradicional funil de vendas, o conceito MVP vs big ideas e campanhas em redes sociais abertas vs crescimento das redes fechadas, ou seja, está na hora de revermos todos os conceitos novamente.

– Não existe fórmula pronta e ficou muito forte a questão de cada um criar o seu caminho e trazer inovação e autenticidade aos seus modelos.

– Propósito, coragem e a importância de retomarmos a confiança são temas em alta. Marcas que mobilizam e que conectam em prol de uma sociedade melhor são mais fortes.

– Regulamentação de dados não é a questão, e sim a própria coleta de dados que precisa ser questionada, segundo Snowden.

– 5G e Inteligência Artificial transformarão tudo como conhecemos (muito mais).

– Vale muito a pena ir pra conhecer Lisboa! 😉

Você sabe o que é Inovação Aberta?

Você sabe qual o conceito de inovação aberta? Citado pela primeira vez em 2003 pelo economista, professor e pesquisador norte-americano Henry Chesbrough, o termo sugeria a mistura de influências internas e externas que afetam as ideias de uma empresa. Mais tarde Chesbrotgh lançou uma atualização do termo, de forma a deixa-lo mais preciso.

Mas basicamente o que a ideia quer dizer é que além de investir em pesquisas internas, é importante que as empresas invistam também em parcerias externas. Essa abordagem é capaz de criar mais oportunidades enquanto reduz custos de pesquisa, traz inovações e minimiza riscos.

Inovação aberta x inovação fechada

Quando falamos de inovação aberta (ou open innovation) temos que falar também da diferença entre ela e a inovação fechada. O que separa as duas é que enquanto a inovação fechada foca em ideias, invenções, pesquisas e desenvolvimentos da própria organização para colocar um produto ou serviço no mercado, a inovação aberta é justamente o oposto. Nos últimos tempos a inovação fechada tem perdido importância. Isso porque com a inovação aberta as empresas têm a possibilidade de utilizar recursos externos. Mais do que isso, com a inovação aberta é possível compartilhar suas próprias inovações com outras organizações, criando assim uma espécie de intercâmbio criativo.

Principais vantagens da inovação aberta

Pelo que você percebeu, dá para imaginar que boa parte das empresas no mercado segue os preceitos da inovação fechada. Mas quando uma empresa passa a trabalhar com a inovação aberta, ela passa a ter vantagens que essa maioria não possui. Dê uma olhada:

  • Economia e redução do tempo para comercialização do produto: a forte concorrência e os ciclos de tempo de um produto nas prateleiras cada vez mais curtos fazem com que o tempo gasto no desenvolvimento dele seja cada vez mais importante. Utilizar o conceito da inovação aberta no seu negócio poderá- possibilitar a redução de tempo de desenvolvimento dos seus produtos. Isso pode fazer que esse tempo caia até pela metade quando comparado a um projeto que usa apenas os conhecimentos internos da companhia.
  • Menor custo de lançamento do seu produto no mercado: com a inovação aberta é possível ter uma redução de custos do produto passando por todas as etapas dele. Isto é, desde o planejamento dele até seu lançamento no mercado. Ao passar a usar esse sistema, tem-se a garantia de reduzir o tempo de desenvolvimento dessas funcionalidades, e isso acaba impactando o budget positivamente.
  • Fator novidade em alta: dificilmente um produto que já está no mercado recebe algum upgrade. Isso porque os produtos e serviços que enchem as prateleiras são desenvolvidos a partir do processo padrão de inovação. Por outro lado, quando você adiciona parceiros externos nessa equação, as chances de desenvolver algo novo são bem maiores.
  • Product market fit subindo: um produto ou serviço que se encaixe na necessidade do cliente como uma luva, esse é o product market fit. Ele é um pré-requisito bem visado no sucesso de um produto. Quando o estabelecimento realiza essas parcerias com outros negócios e integra inclusive clientes nessa experiência, as chances de que o resultado ao qual se chega seja positivo são altas.   
  • Ideias e mais ideias: o envolvimento com a inovação aberta permite que os braços alcancem ideias que talvez nunca teriam sido pensadas usando um outro método convencional. O conhecimento de mais pessoas que podem ter outra percepção da mesma coisa que você tem é muito importante. O processo de inovação requer muitas ideias, já que nem todas sairão do papel e irão trazer os resultados almejados.
  • Mudança de hábito: muitas vezes nem é necessário apostar em algo do zero para seu negócio. As inovações podem acontecer para coisas que já existem e que você já usa no seu dia-a-dia, mas ainda não percebeu. E com a inovação aberta as chances de um parceiro ver elas para você só aumentam.
  • Menores riscos, menores custos, menores prazos: quando se participa da inovação aberta, o intercâmbio entre empresas é algo muito benéfico. Isso porque essa troca pode fazer com que empresas pequenas (que geralmente sofrem com a falta de recursos) realizem boas trocas de experiências com empresas grandes. Isso ao mesmo tempo em que as grandes podem aproveitar os processos ágeis das pequenas.

Por onde começar e como implementar

Um fato que une todas as empresas e organizações é que elas almejam a excelência no que fazem. E utilizar o método da inovação aberta é uma das maneiras de se alcançar isso. Ele é capaz de definir objetivos e a orientação de atividades. Para você prosseguir com esse processo, inicialmente é necessário responder algumas perguntas:

  • O que você deseja alcançar com a inovação aberta?
  • Quais objetivos corporativos a inovação aberta atende?
  • Como operar a inovação aberta de acordo com a situação do seu negócio
  • Quais oportunidades você usaria e por quê?

É muito importante saber quais seus objetivos desde o princípio e tê-los definidos. Uma forma de achar um norte e saber como implementar a inovação aberta  é participando de centros de inovação.

 
Exemplos de inovação aberta

Existe uma série de exemplos e modelos de negócio para aqueles que desejam seguir o modelo de inovação aberta. Desde o modelo de cocriação, onde a empresa chama clientes e fornecedores para que eles possam trabalhar em parceria até o corporate venture, em que grandes corporações investem em startups menores para que elas possam desenvolver soluções para ambas os negócios. O fato é que a inovação aberta por si só faz com que sua empresa fique anos-luz à frente das demais.

Você já estava familiarizado com esse conceito de inovação aberta? Ficou com alguma dúvida sobre o processo ou gostaria de compartilhar alguma experiência com a gente? Escreva nos comentários! Até mais!

As 9 melhores Newsletters para você assinar e já checar a caixa de e-mail

Como você faz para se manter atualizado no decorrer do dia? Antigamente era costume acompanhar diariamente o jornal pela manhã acompanhado de uma xícara de café. Dessa imagem na mente a única coisa que às vezes continua a mesma é o café.

Agora não há mais um horário para se consumir informação. A era da tecnologia diz que qualquer momento é o ideal, e ideal mesmo é se adaptar a essa era. Sabendo que o futuro é agora separamos nesse post uma lista com as 9 melhores newsletters para você assinar agora mesmo e ficar por dentro das notícias em qualquer lugar, mesmo que seja simplesmente enquanto toma uma deliciosa xícara de café pela manhã. Confira!

Insidly.io

Por meio da Insidly é possível ter acesso a uma gama de temas diferentes e se manter atualizado no que diz respeito às principais tendências do mercado, fintechs, inovações e tecnologia no mesmo lugar. Uma ótima alternativa se sua dúvida é qual dentre as inúmeras newsletters utilizar.

The Verge

O The Verge é uma das newsletters ideais para se ter acesso à informações quando o assunto é tecnologia e gadgets. Existente desde 2011, ela possui a missão de abordar esses temas ao mesmo tempo em que faz uma análise sobre a mudança que a tecnologia causa na vida das pessoas hoje (em inglês).

The Brief

O The Brief se define como uma newsletter diária que fala sobre tecnologia e negócios. Opinião, análises e notícias sobre o mais importante de cada um desses dois mundos são promessas que a newsletter faz, tudo regado a uma excelente e bem humorada abordagem.

Brazil Journal

Negócios, economia, tecnologia e afins em uma só newsletter, esse é o Brazil Journal. Além disso, ele oferece as cotações diárias do mercado de ações em tempo real, assim como taxas de câmbio que tem um efeito direto no seu bolso.

The Shift

The Shift é uma newsletter que possui o compromisso de apresentar o cenário disruptivo do Século 21. O The Shift promete ir além das notícias e dar o contexto de temas como inovação e a transformação de negócios e da sociedade.

Meio

Similar ao The Shift, o Meio também é um veículo de notícias independente. Os temas dele variam de política a variedades, e as notícias chegam no e-mail cadastrado pelo usuário no formato de pílulas diárias.

TechCrunch

Direto de São Francisco, terra onde as novidades são praticamente pioneiras, temos o TechCrunch, que nada mais é que uma das newsletters mais conhecidas no meio comercial cujo foco é tecnologia e sua indústria. A newsletter possui vários segmentos para que você receba sempre o que é do seu interesse (em inglês).

Think with Google

O nome por trás dessa newsletter dispensa apresentações. Disponível em mais de 20 idiomas, o Think with Google é um canal de informações voltado para marketing e criatividade. Além disso, sua proposta é dar o insight de como grandes marcas pensam e como elas realizam suas campanhas.

Essa é uma daquelas newsletters que vale a assinatura.

News Organica

Às terças-feiras enviamos uma newsletter repleta de links com conteúdos sobre o que ler, assistir e ouvir sobre a Nova Economia, Evolução Exponencial, Transformação Digital e Mindset de Startup. Esta é a News Organica, ideal para quem quer uma dose semanal de inspiração em seu cotidiano.

A nova era da informação pede agilidade e conhecimento em grandes quantidades. Ela requer que as pessoas fiquem antenadas com as novidades do mercado que elas têm interesse e às vezes pede que elas saibam mais do que apenas seu mercado de experiência.

Essa seleção de newsletters foi apenas o pontapé inicial para que você possa descobrir novas formas de se informar e começar a pensar fora da caixa. Esperamos que com essas dicas sua estratégia de negócios passe a ganhar novas perspectivas. Caso tenha ficado alguma dúvida ou deseje tecer algum comentário, compartilhe com a gente! Teremos prazer em te ouvir. Até a próxima! 

5 livros brasileiros sobre inovação para você ter na estante

A internet evoluiu bastante com os anos e pode ter trazido uma alta carga de velocidade e informação ao nosso dia a dia, mas ela nunca conseguirá tratar com a profundidade que certos assuntos pedem e nem mesmo dar a verdadeira importância que eles necessitam. A melhor maneira para você se manter informado sobre um tema ainda é com um bom livro, sendo físico ou digital. Faz toda a diferença ter contato com um material completo voltado para a sua área de interesse. E foi pensando nisso que resolvi falar sobre alguns livros brasileiros sobre inovação do mercado para aprimorar seu know-how. Confira!

1. Pense Simples – Gustavo Caetano

O empreendedor Gustavo Caetano, fundador da Samba Tech e uma das mentes mais inovadoras do país, começou a empreender quando tinha apenas 19 anos e conseguiu transformar sua startup mineira na líder em soluções para vídeos online na América Latina. Ele aprendeu a mudar o rumo do seu negócio para continuar crescendo e em 2017 publicou Pense Simples, um livro que traz reflexões sobre inovação e criatividade a partir da sua própria experiência empreendedora.

A inovação é o segredo para um negócio de sucesso, mas por onde começar? Segundo Caetano, inovar é mais simples do que parece. Ao longo de dez capítulos a obra traz dicas práticas sobre como tirar as ideias do papel e seguir em frente com suas ideias. Também são propostos alguns exercícios e disponibilizados alguns materiais complementares com dicas para empreender com sucesso.

2. Bora Vender – Alfredo Soares

O recém-publicado livro de Alfredo Soares mostra que é preciso fazer, errar, aprender e refazer rápido para ser inovador. Bora Vender traz a ideia de que todos nós somos vendedores, ainda que não nos achamos bons para as vendas. Para Alfredo, sócio-diretor da VTEX, a maior plataforma de e-commerce da América Latina, vender é encantar, conquistar, fidelizar e alinhar os interesses com as pessoas.

O livro ensina que para dominar a técnica das vendas é preciso deixar de ter medo de vender para então conseguir criar as oportunidades que o negócio precisa, parar de adiar o primeiro passo nos projetos, manter o foco para pensar grande e executar maior ainda. É preciso criar uma marca forte que ofereça uma solução realmente eficaz para o seu público-alvo.

3. Nada Easy – Tallis Gomes

A Evolução Exponencial é um desejo de muitos empreendedores brasileiros. E pode ser um desafio ainda mais complexo em um cenário hostil como o nosso. Não é Nada Easy, mas não é impossível segundo Tallis Gomes, que hoje é um empreendedor bem-sucedido. Em 2011, Tallis fundou a Easy Taxi e conseguiu escalá-la para 420 cidades em 35 países, apesar de ter vindo de uma origem muito pobre em uma cidade pequena e de não ter concluído a faculdade. Hoje, ele é CEO da Singu, o maior marketplace de beleza e bem-estar do Brasil.

Tirar uma ideia do papel é uma arte e não há fórmulas mágicas, mas Tallis apresenta o seu passo a passo para validar de forma correta uma ideia, abrir um empreendimento e fazê-lo crescer, sem desperdiçar tempo e recurso com algo que as pessoas não comprariam. Segundo ele, a maioria das pessoas tem medo ou são pessimistas ao ter uma grande ideia, mas tudo que elas precisam é de agir.

4. Obrigado pelo Marketing – Vitor Peçanha

Hoje está mais que reconhecido que o marketing de conteúdo é fundamental na vida de empresas de todos os tamanhos e segmentos.  Sem dúvidas, o livro Obrigado pelo Marketing é o guia mais completo sobre o assunto. Na publicação,Vitor Peçanha conta seus aprendizados à frente da Rock Content, a maior empresa de marketing de conteúdo do Brasil.

A Rock nasceu no San Pedro Valley em Belo Horizonte e foi de zero de faturamento a mais de 25 milhões em apenas quatro anos. Hoje conta com mais de 250 funcionários e milhares de clientes. Além de referência nacional em marketing de conteúdo, Peçanha faz diversas palestras pelo Brasil e já teve mais de 40 mil alunos em seus cursos online.

5. Mude ou Morra – Renato Mendes e Roni Cunha Bueno

O último da lista, mas não menos importante é Mude ou Morra, livro escrito pelos sócios da Organica Renato Mendes e Roni Cunha Bueno. Eu não poderia deixar de menciona-lo no Blog da Nova Economia, porque ele é o guia ideal para que os profissionais surfem na onda da Nova Economia e redesenhem suas carreiras e empresas.

Renato e Roni viveram a Nova Economia por dentro. O ex- Head of Marketing e Comunicação e o ex-VP da Netshoes, que foi reconhecida como o maior e-commerce esportivo do mundo, viveram na prática as mudanças para a Nova Economia. Na obra, eles ensinam a criar um negócio do zero, a empreender dentro de uma grande corporação e a descobrir o mindset das startups vitoriosas.

E aí, o que achou da lista de livros brasileiros sobre inovação do mercado? Vivemos em um mundo em que cada vez mais será preciso inovar – e se atualizar. Espero que as dicas de hoje tenham sido úteis para você. Compartilhe conosco nos comentários outra obra que não foi mencionada aqui. Até a próxima!

7 princípios da evolução exponencial

Os profissionais estão tendo que se reinventar para mudar a chavinha para a Nova Economia. Já demos algumas dicas sobre como se tornar um(a) Profissional do Futuro aqui. As empresas também estão precisando repensar seus modelos de trabalho para atender as novas demandas e as funções que já não se encaixam mais nele. Em uma nova cultura onde os clientes estão no centro é preciso entender as vontades deles.

Empresas como a Netshoes, Uber e Facebook já entenderam essa lógica. A transformação não acontece do dia para a noite, mas está sendo feita. Todos os dias, o tempo todo. E quem não se preparar para ser um Profissional do Futuro vai sofrer as consequências de ficar para trás e um dia ter que se deparar frente a frente com a Nova Economia.

Para entrar na Nova Economia, você precisará entender alguns conceitos da Evolução Exponencial. Pensando nisso, preparamos este artigo com os 7 princípios da Evolução Exponencial. Continue a leitura e conheça quais são eles!

1.      Cultura do cliente

Como falamos no fim do primeiro parágrafo: Você precisa aprender a escutar seu cliente. Já que estamos na era do cliente, nada mais justo que mudar o mindset e coloca-lo à frente nas suas ações. Todas as estratégias que você adotar têm que ser pensadas para melhorar a experiência dele. Não é mais como você quer, e sim como o cliente deseja.

E deixo uma povocação que está no livro Mude ou Morra: você está disposto a perder dinheiro a curto prazo em nome da construção de uma relação de longo prazo? Aqueles que tem o mindset da Nova Economia com certeza estão.

2.      Sim, é possível

“Esse negocio não vai dar certo…” Quantas vezes você já ouviu isso? Um profissional do futuro não deve deixar que os outros o sabotem ou se auto sabotar. Os sonhadores não costumam respeitar as regras de probabilidade. Ou então nem sairiam da cama.

Enquanto muitos terão inveja da sua ideia e do seu sucesso, outros tantos irão desacreditar de você ou tentar protege-lo dos riscos. O “não” é seguro e o “sim” representa algo novo. Mas sim, é possível e sempre tem uma saída. Seja um líder inconformado!

3.      O novo sempre vem

E sempre virá. Não dá para frear o tempo. Frequentemente surge uma nova onda que substitui a antiga. Não espere uma startup destruir sua empresa. Destrua você mesmo sua ideia e reinvente-se.  O jogo que você está ganhando hoje não garante o placar para a próxima rodada na Nova Economia.

Tenha em mente que o que você faz hoje é só um ciclo da sua vida. Alguém um dia irá ocupar seu espaço.  Por isso, fique atento ao mercado e busque constantemente novos desafios. Você deve ser ativo e não reativo ao novo.

4.      Permita-se errar

Erre e assuma os riscos. Todas novas ações estarão sujeitas ao erro. Nenhum profissional faz o novo sem errar. O erro é um importante degrau na escada da inovação. Não existe aprendizado sem experiência.  Mas não confunda o erro com o fracasso e a tomada de risco com negligência.

Para crescer vamos errar. Entendido isto, erre rápido – e de preferência, barato. Esteja no controle em relação às consequências que um erro pode causar. Encontre um equilíbrio saudável entre o nível de risco com a sua equipe. Combinar o jogo previamente é o segredo.

5.      Tenha postura de dono

Existem dois tipos de pessoas: as que reclamam e as que resolvem. A Nova Economia espera que você seja o segundo tipo. A postura de dono nada mais é do que ter os funcionários reproduzindo as ações de liderança da empresa.

Assuma os problemas para você. Empondere-se para ir além do alinhamento da empresa. Por isso, é importante permitir-se errar com responsabilidade.

6.      Viva bem no desconforto

Segurança é coisa do passado. Com tantas mudanças acontecendo viver no desconforto é estar na frente. Vai doer, mas não existe evolução sem dor. Um Profissional do Futuro não pode estar na zona de conforto e conviver bem com essa realidade.

A Evolução Exponencial acontecerá fora desta zona. Outra provocação do Mude ou Morra sintetiza bem o viver no desconforto:

“a Nova Economia não vai dar trégua aos acomodados. É por isso que o termo “resiliência” ganhou tanta importância nos últimos anos. Resiliência, na nossa visão, é a capacidade que uma pessoa tem de aguentar o tranco”.

7.      Foco e obsessão

Não deixe se desviar do seu foco e perder oportunidades. Escolher 3 ou 4 coisas e faça bem feito. O pulo do gato está na capacidade de executar as ideias com foco e determinação. O foco é decisivo para definir quem são os realizadores e quem são as pessoas que só têm com grandes planos.

Você já conhecia os 7 princípios da Evolução Exponencial? Adotou algum deles para entrar na Nova Economia? Conta pra gente! E faça o download do nosso ebook sobre os 7 princípios para você e sua empresa evoluírem exponencialmente.