5 insights aprendidos com o líder corajoso Rodrigo Batista

Ontem, Roni Cunha Bueno conversou com o Rodrigo Batista na Live #LíderesCorajosos. Hoje, Rodrigo é conselheiro e investidor em empresas de tecnologia como nTokens.com e Saxperto.com.br. Ele também é fundador do Mercado Bitcoin, maior corretora de moedas digitais da América Latina. Rodrigo fundou a empresa em 2013 e ela foi vendida em 2018. Nesses dois anos que se passaram, o empreender continua construindo outros palcos por aí. Saiba quais são os insights de hoje!

1. Fique atento às oportunidades que você encontra pelo caminho

O Rodrigo Batista acreditou nas criptomoedas lá atrás. Ele viu na Revista Superinteressante que tinha algo legal nascendo, que já tava crescendo no mercado internacional, e enxergou como uma oportunidade de criar algo em 2011. O Mercado Bitcoin nasceu em 2013 e ficou sob comando do Rodrigo até 2018. Quando não fazia mais sentido ele vendeu e nos últimos dois anos o empreendedor mudou seus rumos.

2. Se você se mete sozinho em um negócio a chance de ficar sobrecarregado é muito grande

Rodrigo se define como alguém bem técnico e por muitos anos um assunto que deixou de lado foi o das pessoas. A faculdade tem dificuldade de preparar sobre isso. Ao longo do caminho, Rodrigo descobriu quem ele queria no seu time: pessoas que buscam fazer o trabalho bem feito. Com as pessoas certas o empreendedor consegue mudar para outro ramo e conseguir dinheiro, por exemplo. E a vontade de aprender é algo que ele realmente valoriza nos colaboradores. Se alguém se prende em uma tese fica muito difícil trabalhar em time. É necessário flexibilidade e resiliência. Segundo o Rodrigo, se você se mete sozinho a chance de ficar sobrecarregado é muito grande, não vale pagar pra ver. Uma outra característica importante quando dá certo chamamos de persistência e quando dá errado ela fica conhecida como teimosia. 

3. Tenha persistência para ir vencendo suas barreiras

Rodrigo foi criado no Itaim Paulista, periferia da Zona Leste de São Paulo. Ele conta que roubou o folheto da escola sobre o ensino técnico e estudou um jeito de colocar de volta sem que ninguém percebesse. Ter mudado para a Escola Federal daquele folheto foi algo transformador na sua vida. Da escola ele entrou para o mundo da computação. Um segundo momento marcante que o Rodrigo relembrou na live foi o de ter largado o salário e benefícios do banco em que trabalhava para empreender na sua startup. Rodrigo foi vencendo as barreiras pelo caminho. A gente sempre escuta que adulto não consegue aprender inglês ou que é impossível entrar na USP. Mas ele garante que só desiste se tentar no seu máximo. E essa persistência o ajudou muito a construir sua história.

4. Ainda há muita coisa para ser feita no universo financeiro

E o Rodrigo continua criando coisas nesse mundo, tanto pensando nos mais ricos quanto nas pessoas de baixa renda. Sem dinheiro a gente não vive e o Rodrigo quer dar outras contribuições nesse ponto, com o dinheiro mais fácil e disponível para as pessoas. Um dos seus objetivos é que as pessoas, principalmente as menos assistidas, tenham uma vida melhor. Saúde e genética são outros assuntos que têm interessado o Rodrigo, da mesma forma que enxergou potencial no bitcoin em 2011. Ele acha que em 10 ou 20 anos teremos grandes desenvolvimentos nessas áreas. 

5. Se você está aberto ao mundo vão te aparecer novos desafios

Pessoas boas abrem espaços. Ninguém consegue fazer tudo super bem e sempre vão existir pessoas melhores que você em determinada coisa. Por isso, a gente precisa se desenvolver para trazer novas pessoas no caminhos. E é necessário preparar essas pessoas para ocupar esses caminhos. É aquela história: se desenvolver para desenvolver os outros. As pessoas precisam ser ouvidas e não julgadas. Tudo muda, por isso, precisamos nos adaptar. Viva bem no desconforto.

Espero que tenha gostado dos insights. Você pode assistir a live com o Rodrigo Batista clicando aqui. Ah, e não perca as Lives Jeito Organica, Faz Chover e Líderes Corajosos. Elas acontecem todas as segunda, terças e quintas-feiras, respectivamente, no Instagram da Organica. Até mais!

6 insights aprendidos com o líder corajoso Bruno Soares

A Feedz é uma startup acelerada pela Organica desde quando tinha 3 pessoas no time: um estagiário e os cofundadores Bruno Soares e Gabriel Leite. No ano passado, a Feedz conquistou o 6º lugar de startup que mais cresceu no mundo. E hoje, a empresa quer ser referência em engajamento e desempenho. Só temos uma coisa a dizer: #voafeedz!

Na quinta, o Bruno Soares, CEO da Feedz, conversou com o Roni Cunhabueno na live #LíderesCorajosos. Confira a seguir 6 insights do bate-papo com esse líder corajoso!

1. É preciso contratar bem e desenvolver pessoas

Cuidar de pessoas é um ponto fundamental na Feedz. Por lá, eles têm um comite de cultura que analisa o clima a cada 15 dias. E para o Bruno, os founders e diretores precisam participar e estar cientes de tudo o que está acontecendo na empresa. Eles precisam olhar para recrutamento e seleção para que o colaborador esteja realmente alinhado com a cultura

do negócio. A cultura é algo vivo e precisa ser revisitada com frequência, sem perder a sua essência. Uma pessoa que não está alinhada com a cultura pode atrapalhar todo o time

2. O OKRs deve estar na cultura da empresa

Um outro ponto fundamental para o Bruno é a consistência nas estratégias. A Feedz utiliza OKRs há dois anos, desde quando tinham 3 pessoas no time. Hoje são 25 e os OKRs estão na cultura da empresa. Ter foco é algo fundamental segundo o líder.

3. Admire gente que já fez

O Bruno é o típico líder estruturado, que é focado em resultado e olha para pessoas com o olhar sistemático. É o líder que administra e orquestra o caos. O Bruno admira pessoas que gostam de fazer, sejam ávidas por conhecimento e que estejam sempre aprendendo por meio do valor de evolução. Existe ainda o líder visionário, que sempre está cheio de ideias e em busca do fator UAU, e o que faz chover, que executa o tempo todo e traça várias metas. 

4. Tenha transparência, principalmente no feedback

Bruno disse que na Feedz eles são bem transparentes com o time. Deixam claro o faturamento, quanto vendeu, informações dos clientes e abertura ao feedback a qualquer momento. As pessoas precisam compreender que feedback não é repreensão e entendê-lo como um presente para evoluir. A maior experiência do Bruno na pandemia foi a de desligar 6 pessoas no time. A Feedz tinha um turn estruturado, mas com a pandemia eles enfrentaram cancelamentos e revisões de contato. O time montou um plano de ação, cortou gasto e a última medida foi a dos desligamentos. Olhando para hoje, o Bruno disse que não teria feito os desligamentos. Eles acharam que 2020 seria um ano perdido.

5. É importante que o líder saiba explicar seu primeiro movimento, mesmo que a sua cabeça esteja na quinta peça

O líder tem o papel de dividir seu modelo mental com o time. O founder tem todas as informações e é quem mais entende e estuda o negócio. Sem contar que o modelo mental do founder automaticamente já foi mais testado. Um grande erro dos líderes na visão do Bruno é o de respostas de cima pra baixo, já que eles deveriam ser os primeiros a trazer contexto. O Bruno semanalmente envia um e-mail para o time com 5 artigos que ele achou interessante, o livro que ele está lendo e alguns pensamentos para a semana. 

6. A liderança está ligada a caráter, generosidade e humildade

Mas não podemos confundir liderança com ser bonzinho. Extrair o máximo do time é característica do líder. Pessoas felizes e realizadas profissionalmente precisam estar acompanhadas de um bom líder. Quanto mais maduro for o profissional, mais preocupado ele estará em não entrar em um time fraco, sem cultura e com processos defasados. O propósito deve estar alinhado com o da empresa.

Espero que tenha gostado dos insights de hoje. Você pode assistir a live com o Bruno Soares clicando aqui. Ah, e não perca as Lives Jeito Organica, Faz Chover e Líderes Corajosos. Elas acontecem todas as segunda, terças e quintas-feiras, respectivamente, no Instagram da Organica. Até a próxima!

5 insights aprendidos com o líder corajoso Pedro Mergulhão

A Upnid foi acelerada pela Organica e serviu de inspiração para o nome da nossa investida de startups: Organica 10.4.3. Isso porque a startup cresceu 10 vezes no seu primeiro ano, 4 no segundo e 3 no terceiro. Roni Cunha Bueno conversou com o Pedro Mergulhão, cofundador da startup. Confira os 5 insights que tiramos dessa live:

1. O amadurecimento nos ajuda a lidar com os problemas

Os problemas surgem todo dia, mas se o Pedro tivesse os mesmos de hoje há 4 anos atrás ele disse que não daria conta. A vida de startup é que nem um grande vídeo game. A gente vai passando de fase e buscando nossa evolução.

2. O principal desafio na cultura da empresa é entender nossos valores

É preciso saber quem quer trabalhar com a gente. E a Upnid conseguiu trazer pessoas que conseguissem crescer e amadurecer no mesmo ritmo do negócio e que são alinhadas ao valor de evolução da empresa. É fundamental que as expectativas estejam alinhadas nesse processo para encontrar gente boa que quer crescer junto com a startup. Duas características de quem a Upnid quer junto no time são: capacidade de adaptação, pessoas que querem verdadeiramente evoluir; e humildade para saber que todos estão aprendendo juntos e de reconhecer que ninguém tem todas as respostas, por lá não há espaço para ser um babaca dono da verdade que já sabe de tudo.

3. O trabalho híbrido pode ser o maior desafio

Hoje a startup conta com 41 pessoas no time. A metade trabalhava remoto e a outra metade presencial. Hoje, está todo mundo remoto e a empresa está bem ágil dessa forma, com um time bem maduro, por mais que exista a saudade de celebrar juntos. O híbrido entre as duas modalidades após a quarentena será o grande desafio, pois todo mundo deve estar integrado na cultura da mesma forma.

4. Crescer dói muito, mas com gente boa a gente pode construir o que quiser 

Hoje o que move o Pedro é montar um time dos melhores executivos do Brasil. Ele não é apegado a um modelo de projeto, mas se motiva ao ver as pessoas abraçadas ao negócio. A dor de qualquer crescimento é intensa, mas poder mudar a vida das pessoas faz com que tudo valha a pena. O pilar da Upnid são as pessoas que estão com a empresa. É importante ter um sonho grande e ele precisa ter o apoio das pessoas. O mercado das fintechs está aquecido. Tem gerado a descentralização dos bancos e a democratização do mercado financeiro. O principal legado que o Pedro quer deixar é o de ter pessoas do seu lado que cresceram com a Upnid. Cabe às empresas dar oportunidades para minimizar as desigualdades que vivemos no mundo.

5. A ação liberta e a gente descobre fazendo

As ações devem ser maiores que os planos. A gente descobre muita coisa quando estamos no caminho. E isso nos permite colocar a cara a tapa. É fundamental que um líder corajoso tenha a humildade de aprender a fazer. É difícil comparar o palco com bastidor, as coisas não são tão fáceis quanto parece. Existe muita ralação nesse trajeto. 

Espero que tenha gostado dos insights de hoje. Você pode assistir a live com o Pedro Mergulhão clicando aqui. Ah, e não perca as Lives Jeito Organica, Faz Chover e Líderes Corajosos. Elas acontecem todas as segunda, terças e quintas-feiras, respectivamente, no Instagram da Organica. Até a próxima!

5 insights aprendidos com o líder corajoso Gustavo Araujo

O legado do líder corajoso à frente do Distrito, Gustavo Araujo, será ajudar o empreendedorismo no Brasil por meio de um ecossistema de startups. O cofundador do do maior ecossistema independente de startups do país foi o 11º convidado do Roni Cunha Bueno na live #LíderesCorajosos. Separamos 5 insights do bate-papo com esse líder que está vivendo no palco da Transformação Digital. Confira!

1. A opção de escolha entre trabalho remoto ou presencial é o modelo de sucesso daqui para frente

Todo mundo no Distrito mudou o job description. Eles começaram a organizar live e viraram tudo de ponta cabeça. O digital era um suporte do físico e a pandemia isso foi invertido. O time do Distrito avançou o digital de uma forma gigantesca. Hoje eles contam com mais residentes virtuais do que físicos. Embora muitas startups tenham um caixa curto, eles conseguiram reter 60% dos residentes. A comunidade dobrou de tamanho com o prédio digitalizado. Hoje, eles oferecem uma plataforma de mentoria e toda a comunicação de forma online. Mas o Gustavo vê muitas pessoas subestimando o poder do físico. Para ele, o modelo de sucesso é a opção pra escolher o melhor em cada momento, seja físico ou digital

2. Os prédios irão mudar e os espaços tendem a ser mais colaborativos

Eles serão menos um lugar de residência e mais uma oportunidade de encontros. As startups vão querer estes espaços para reuniões, mentorias e workshops. Desse modo, os 

espaços serão mais colaborativos e com mais laboratórios. O Gustavo trabalhará de forma híbrida. Ele pretende ficar 2 dias em casa e 3 dias no escritório. O Distrito já é o maior ecossistema independentes do Brasil e daqui para frente não há limites de prédio, espaço geográfico ou língua. 

3. Quem tem uma posição conservadora de caixa a chance de dar certo em uma pandemia é maior

O maior medo do Gustavo na posição de líder corajoso foi quebrar. Mas por mais que o Distrito seja disruptivo, ele tem uma posição conservadora em relação ao caixa. Então, o time ficou mais tranquilo. Gustavo contou que muitas startups do Distrito que já estavam balançando acabaram falindo, mas que tiveram casos que deram a volta por cima, participaram de rodadas de investimento e fizeram chover nessa crise. Por que o Brasil sofre mais que os países desenvolvidos em uma crise? O dinheiro vai para países mais estáveis que têm mais qualidade.

4. Existem 3 esteriótipos do empreendedor vencedor no Brasil

O empreendedor vencedor tem o output de resultado para conseguir captar dinheiro. As startups que mais crescem são aquelas que no fim do dia conseguem captar mais. Em primeiro lugar, os founders sabem o que estão fazendo, entendem muito do negócio e estudam muito. Em segundo, eles precisam ter energia alta para agir. Por fim, ter resiliência para lidar com coronavírus e crise política, por exemplo. Investidor anjo não leva a empresa para frente. Startups com VCs com tradição crescem mais rápido. 

5. Empreender no Brasil é uma missão emocionante e tem que ter muito estômago 

O dia de alegria é 2,5 vezes maior em termos de realização do que o dia de tristeza para o empreendedor. O brasileiro também tem um alto grau de adaptabilidade. Empresas que só estão na arquibancada não tem mais lugar com a transformação digital. As pessoas que se arriscam é que têm destaque. Sem contar que tudo que a gente sabe em 30 dias já está velho. A gente não precisa saber, mas precisa aprender. O legal da startup é que ela aprende e faz. Gustavo quer que o empreendedor brasileiro tenha as mesmas ferramentas das startups de fora. Ele quer romper com a dicotomia Brasil/mundo e startup/grande empresa. Para ele, uma grande onda de transformação digital que irá surgir vai ser das grandes empresas. E ele quer ser esse ecossistema que conecte os players.

Espero que tenha gostado dos insights de hoje. Você pode assistir a live com o Gustavo Araujo clicando aqui. Ah, e não perca as Lives Jeito Organica, Faz Chover e Líderes Corajosos. Elas acontecem todas as segunda, terças e quintas-feiras, respectivamente, no Instagram da Organica. Até a próxima!

6 insights aprendidos com o líder corajoso Victor Santos

Quinta foi a vez do Roni Cunha Bueno conversar com o Victor Santos, fundador e CEO da Liv Up, uma das startups de alimentos que mais crescem no Brasil, na Live #LíderesCorajosos. Confira a seguir 6 insights do bate-papo com esse líder corajoso que vive no palco da Nova Economia. Perdeu a Live? Ela está salva aqui no nosso perfil. Assista e nos diga o que achou!

1. Saiba que você viverá a intensidade dos primeiros anos

Até 2018, Victor tinha aquela sensação de ter que matar um leão por dia na Liv Up. Era fazer ou morrer quase que diário nesses primeiros anos de existência da startup. Nunca existiu a ideia de que ia dar errado. Sempre foi um: como vamos levantar dinheiro? A ideia de jogar junto com o time foi fundamental desde o início. Todo dia um ia se apoiando ao outro.

2. O maior desafio do empreendedor não é sonhar, é tirar o sonho do papel

É importante ter o sonho de onde querem chegar quando se está começando uma empresa. O Victor tem o sonho de construir a melhor e maior empresa de alimentação do Brasil. Ele enxerga que há um espaço fantástico a ser explorado e vai executando no dia a dia pensando nisso para conseguir atingir seu sonho.

3. Cultura é o que você faz e não só o que você fala

A cultura da empresa tem que ir puxando o colaborador. Os valores são pontos fundamentais. E o processo seletivo tem que ser o maior acordo entre ambas as partes. Afinal, o combinado não sai caro.

4. Repense em como ter um impacto melhor

As pessoas querem comer bem. E a Liv Up quer fazer cada vez mais parcerias com produtores e oferecer ingredientes mais naturais. Em 10 anos, o Victor quer que a Liv Up esteja 10 vezes melhor e que gere um impacto que inspira a sociedade. 

5. Não tenha vergonha de sonhar gigante

Antes, o Victor tinha vergonha de falar dos seus sonhos grandes pela insegurança do início. Mas aprendeu que uma caraterística de um líder corajoso é não se colocar tanto em um teto de vidro. O céu é o limite. 

6. É preciso crescer focado

Até para dizer não e ter conversas difíceis. O time deve estar todo alinhado pelo propósito e reservar um tempo de qualidade rever isso. O trabalho de olhar para dentro tem que ser contínuo. Às vezes estamos tão focados em resolver problemas que não percebemos esses pontos

Espero que tenha gostado dos insights de hoje. Você pode assistir a live com o Victor Santos clicando aqui. Ah, e não perca as Lives Jeito Organica, Faz Chover e Líderes Corajosos. Elas acontecem todas as segunda, terças e quintas-feiras, respectivamente, no Instagram da Organica. Até a próxima!

5 insights aprendidos com o líder corajoso Rodolfo Reis

Ontem foi a vez de Roni Cunha Bueno entrevistar o  7º convidado da Live Líderes Corajosos: Rodolfo Reis. Ele é fundador da Leiturinha, maior clube de assinatura da América Latina, sócio da Play Kids, líder global em conteúdo infantil (Grupo Movile); co-fundador da WeClever, plataforma de vendas humanizadas; CMO da Tech.fit, maior plataforma de saúde e bem-estar do Brasil; e sócio da Organica 10.4.3, fundo VC de startups em estágio inicial da Organica.

Confira a seguir 5 insights do bate-papo com este líder corajoso que está vivendo no palco da Nova Economia!

1. Sempre saia com algum aprendizado

A Leiturinha foi o oitavo negócio do Rodolfo e todos praticamente quebraram. Mas empreendedor não pára nunca, e a cada insucesso ele saiu com aprendizados que o tornava um empreendedor melhor. Sua filha nasceu e ele sempre lia para ela. Foi aí que pensou que aquilo poderia ser um negócio e criou a Leiturinha, o maior clube de assinatura da América Latina. Dois anos depois ela foi vendida pra Movile. E em mais dois anos ele se tornou sócio da PlayKids.

2. Entregue algo que mude a vida de outra pessoa

Mais do que nunca é preciso impactar pessoas. Se for só algo bonitinho não vai fazer a diferença para ninguém. A Leiturinha faz sucesso pelo seu lado humano, que mexe com o sentimento de toda a família. É preciso ver também como você vai envelopar isso. Comunicação agradável (inclusive visual), carinho e aquele momento uau de receber a Leiturinha fazem a magia acontecer. 

3. Pessoas querem comprar coisas de pessoas

A humanização faz toda a diferença na compra. Rodolfo se desafiou e saiu da operação do desafio gigante que era a PlayKids. Ele se tornou sócio da Organica 10.4.3,  fundo VC de startups em estágio inicial da Organica; se tornou executivo na Tech.fit, maior plataforma de saúde e bem-estar do Brasil, pois queria viver a experiência de trabalhar em uma empresa que não era o fundador; e montou há 5 meses a WeClever, plataforma que ajuda empresas a ter um atendimento humanizado. A plataforma está em crescimento exponencial crescendo ¨60% ao mês. Todo o atendimento da Leiturinha serviu de inspiração para a sua nova empresa.

4. Cercar-se de pessoas boas faz a diferença 

Para Rodolfo, a liderança corajosa não é ausência de medo, pelo contrário. Viver na coragem é viver na vulnerabilidade. É necessário ter disciplina de dar o próximo passo, dosar a energia nas relações com o time, ter ambição para querer crescer, iniciativa para saber se mexer, não deixar o medo te controlar e saber se adaptar aos novos cenários com criatividade. Assim, o líder corajoso vai estar acolhendo as pessoas. Para ele, também é importante prestar atenção no momento e no papel de cada sócio para não criar expectativas desalinhadas.

5. Esteja hoje melhor que lá atrás

Nossa trajetória enquanto profissionais é uma verdadeira jornada. Por isso, é imprescindível ser acolhedor. As marcas devem estar cada vez  mais próximas das pessoas. Os clientes esperam isso.

Espero que tenha gostado dos insights de hoje. E não perca as Lives com Líderes Corajosos todas as quintas-feiras às 18:00 no Instagram da Organica. Para assistir a Live com o Rodolfo Reis é só clicar aqui. Até a próxima!

6 insights aprendidos com a líder corajosa Paula Paschoal

Paula Paschoal está no PayPal desde o início das operações da companhia no País, em 2010, e, desde julho de 2017, é diretora sênior do PayPal Brasil.⠀Paula foi uma das entrevistadas da Live #LíderesCorajosos e respondeu perguntas ousadas de Roni Cunha Bueno. Para a líder, os momentos mais difíceis é onde a gente mais cresce. “Surgem os desafios, a gente assume os riscos, aprende e cresce.”

Confira a seguir 6 insights do bate-papo com esta líder corajosa que está vivendo no palco dessa gigante empresa de pagamento online global!

1. Desafie seu modelo campeão

Ela está desde 2010 no Paypal e enxerga um aprendizado importante em cada etapa. Não se sente no mesmo lugar ao longo desses 10 anos. Champion x Chalenger representa um dos grandes segredos do sucesso. É preciso criar um modelo, ir ao limite, desafiá-lo, quebrá-lo e criar outro melhor. Paula sabe bem como se reinventar. Para ela, o que nos trouxe até aqui não vai levar mais em outro lugar. 

2. Delegar é tão importante do que saber fazer

Às vezes saber delegar se torna ainda mais importante. Enxergue o mundo sob outra ótica. Paula acredita que ser mãe a tornou uma executiva melhor. 

3. Na prática a vida é outra

Quanto mais Paula mostrava vulnerabilidade mais os resultados foram sendo outros. Ela tem o mesmo time há anos. Os executivos precisam se abrir para o feedback e saber pedir ajuda. O trabalho se torna melhor com colaboração, inclusão e cuidado com os funcionários. A empresa a ajudou a crescer ao longo desses anos e isso precisa ser feito com todos. Ela não sabe tudo e sempre conta com pessoas do seu lado. Sair da armadura e mostrar a vulnerabilidade é sem dúvidas uma atitude de uma líder corajosa. 

4. Invista nos seus relacionamentos

Tenha uma agenda com os aniversários, por exemplo. Na hora do aperto, a ajuda dos colaboradores é a única alternativa de acolhimento. A vida é tão mais fácil quando a gente admite que não sabe tudo e pede ajuda. Antes, ela ficava se matando por não saber fazer alguma coisa. É fundamental manter as pessoas que se sintam empreendendo dentro da corporação. Para manter o seu time forte, a Paula busca pessoas que acreditam nos mesmos valores e tenham o mesmo propósito para o time. Dor de dono é vestir a camisa com paixão.

5. Mentorar mulheres dá trabalho porque precisamos educar todos os homens

Ainda temos poucos exemplos de mulheres na liderança de empresa, mas esses exemplos se arrastam. Enquanto não houver igualdade esse é um assunto que deve ser falado e enfrentado. A projeção é que apenas em 2092 teremos igualdade entre homens e mulheres. Precisamos acelerar isso. Quebrar síndrome do impostor, enxergar cada vez mais uma pequena soma e investir na diversidade.

6. A pandemia está acelerando a transformação digital

Empresas que tinham alguma resistência à digitalização hoje estão descobrindo um mundo de oportunidades. O Paypal nunca viveu um período tão positivo. Em maio, a empresa vendeu mais que na Black Friday e Natal. As compras online são mais simples e as pessoas estão tendo boas experiências. Ninguém volta atrás em um hábito antigo. O momento é desafiador e exige cautela, mas existe oportunidade na crise.

7. Reflita sobre o novo normal daqui pra frente 

Esse é o momento de transformação da sociedade. Ela tem tudo para ser mais igual do ponto de vista econômico, com mais acesso aos serviços financeiros. Repense no que mudou para sair melhor, mais forte e com mais consciência depois da pandemia. Repense o que realmente é essencial para você.

Espero que tenha gostado dos insights de hoje. Você pode assistir a live com a Paula Paschoal clicando aqui. Ah, e não perca as Lives Jeito Organica, Faz Chover e Líderes Corajosos. Elas acontecem todas as segunda, terças e quintas-feiras, respectivamente, no Instagram da Organica. Até mais!

14 insights aprendidos com Alfredo Soares, líder corajoso à frente da vice-presidência institucional da VTEX

Ontem, 05 de junho, tivemos  mais uma Live Líderes Corajosos em nosso Instagram e dessa vez o Roni Cunha Bueno fez uma entrevista sem pauta combinada e com perguntas ousadas com o Alfredo Soares, vice-presidente institucional da VTEX. Ele fez mais de 100 entrevistas por meio de lives nessa quarentena e ontem foi o dia dele ser o entrevistado.

O empreendedor é fundador da XTECH COMMERCE, que em três anos, negociou R$ 547 milhões em vendas e foi comprada pela VTEX em 2017.São mais de dez anos de trajetória profissional, transformando-se em um dos principais especialistas em vendas e e-commerce do Brasil. Hoje, ele é sócio da VTEX, a maior plataforma de e-commerce da América Latina, com presença global em mais de 35 países, onde atua como VP Institucional. Alfredo também autor do livro “Bora Vender”, obra que está sempre na lista de mais vendidos no segmento de vendas. 

Alfredo escreveu seu segundo livro na quarentena com base nas lives nesse período. Para ele, o livro é uma gaveta do momento e uma forma de esvaziar o cérebro. 

Foram 1h30 de live e muuuuuitos insights. Confira a seguir 14 inspirações do bate-papo com esse líder corajoso!

1. A grande fonte de inspiração está no óbvio

As grandes ideias são um conjunto de coisas óbvias e simples. Seja em um filme ou em uma feira de rua. 

2. Cada um tem sua forma de aprender

O inglês não é o forte do Alfredo, mas ele faz inúmeras viagens, participa de diversas palestras e vai absorvendo tudo como pode. 

3. As pessoas querem ser ouvidas

Alfredo diz não aceitar mais fazer palestras. Ele quer responder perguntas e discutir com as pessoas. Por isso, acredita mais nos painéis.

4. Use seu time e seu clientes como fonte

É preciso ser feita uma descentralização para daí então efetuar a criação de conteúdo. Reflita como os feirantes fazem: eles te convidam para conhecer seus produtos, te dão uma amostra e ainda que você não compre pode ir propagando aquela ação. 

5. Para mudar o presente a gente precisa visitar o passado

O futuro está no passado, naquilo que é legítimo e natural. Dê atenção à forma que você chama atenção na hora. É preciso fazer uma clusterização para um atendimento que realmente funcione. Daí então é possível fazer a diferença. Afinal, o futuro é hipotético.

6. É preciso ter a habilidade de ser pragmático em um mundo tão poluído

E então achar a grande fonte de aprendizagem. O erro deve ser encarado como tentativa. 

7. Sempre que ele tenta algo que vá contra a sua intuição vira uma cagada

O Alfredo é intenso em tudo que faz e sempre busca dar ouvidos a sua intuição, o que também evita brigas desnecessárias.

8. O líder deve liderar com a intuição aliada aos dados

O engajamentos das pessoas não é o mesmo quando a gestão é feita só na base dos dados. A intuição é a experiência conectada com as crenças na projeção de algo maior. Ela é o pensamento mais genuíno das coisas. 

9. As âncoras das novas gerações são os impactos que elas vão criar

Alfredo não quer inspirar, quer impactar. Ele acredita que só nós mesmos podemos nos inspirar.

10. A maior fonte de energia é o medo 

O instinto de sobrevivência faz a gente sentir nossa força e o autoconhecimento nos ajuda a lidar com o medo.

11. A segunda fonte de energia é a auto-estima

Aí vem a máxima: uma imagem vale mais do que mil palavras. Não é a auto-estima de receber elogio dos outros. É a de conseguir se encarar e criar suas próprias fontes de energia para conseguir ser sua melhor versão. Crie suas próprias fontes de energia se conhecendo.

12. O propósito e o legado podem ser adaptados

O que não mudam são os nossos princípios. Alfredo trocou seu propósito na live: ele quer simplificar, tangibilizar as coisas e conectar vários óbvios. Para isso, é necessário criar o momento para ser sua melhor versão e conseguir tornar o óbvio acessível para as pessoas conseguirem acessar. 

13. A jornada é o maior tesão

Precisamos parar de buscar as respostas no futuro e sentar no banquinho, olhar para o passado, aprender de novo e olhar para o futuro. Pense grande! Temos a capacidade de ressurgir várias vezes. Crie seu caos, ative seu medo e ressurja cada vez mais esclarecido.

14. Planejamento demais pode te afastar do acaso

Então, cuidado para não ficar planejando muito e deixar de viver as coisas que vão simplesmente acontecendo, que nos dão mais tesão e geram mais resultado no final.


Espero que tenha gostado dos insights, porque essa live foi foda. Você pode assistir as duas partes clicando aqui e aqui. Ah, e não perca as Lives Jeito Organica, Faz Chover e Líderes Corajosos. Elas acontecem todas as segunda, terças e quintas-feiras, respectivamente, no Instagram da Organica. Até mais!