O protagonismo da gestão de pessoas no mundo digital

Na Era digital, a tecnologia permite cada vez mais a agilização e automação de processos

O tempo em que o foco das empresas estava em crescer a produtividade e reduzir os custos olhando basicamente para tecnologia e automação de seus processos internos passou, hoje tudo é automatizado, porém vivemos um momento no qual tudo pode ser copiado com facilidade e rapidez e isso afeta definitivamente a vantagem competitiva e traz para o protagonismo “o como fazer” e não mais “o que fazer”.

Na Era digital, a tecnologia permite cada vez mais a agilização e automação de processos, apesar disso ter exigido maior capacitação dos profissionais, sabemos que as competências técnicas são facilmente alcançadas, isso coloca em destaque os chamados soft skills, ou seja, as habilidades mentais, emocionais e sociais que as pessoas desenvolvem ao longo de suas experiências.

Essas competências comportamentais norteiam as atitudes através das quais as pessoas viabilizam suas entregas e agregam valor para a companhia, levando em consideração a forma como acontece as relações interpessoais, criatividade, colaboratividade, inteligência emocional, processo de tomada de decisão, flexibilidade, riscos e até a forma como administram os erros, ou seja, “o como fazer” é o grande diferencial, justamente porque estamos falando de questões particulares geradas pelo aprendizado individual, portanto, mais difíceis de serem reproduzidas pela concorrência.

Nunca foi tão importante fazer uso absoluto das potencialidades humanas como diferencial no mercado, a empresa que consegue entender isso e, fazer uma boa gestão de pessoas, além de canalizar, direcionar e evoluir as características pessoais e valores de seus profissionais, desenvolve uma forma única de experiência para o mercado, elas sairão na frente nessa corrida tão acirrada dos negócios, no entanto, por que a gestão de pessoas é um tema tão desafiador?

Segundo Bergamini e Tassinari, muitos são os executivos que têm dificuldade com problemas humanos no ambiente de trabalho. Normalmente admitem que os problemas técnicos são fáceis de serem solucionados, mas que dificilmente deixam um dia de trabalho com a certeza de que resolveram todos os problemas relacionados às pessoas, esse é o fator de maior preocupação. Existem diversas questões que podem ser individuais ou organizacionais que afetam significativamente o desenvolvimento e a potencialização de conflitos entre as pessoas no ambiente corporativo, tornando o ambiente negativo do ponto de vista emocional e prejudicando a produtividade.

Ao passo que os aspectos comportamentais estão em evidência, as empresas precisam propiciar um ambiente que permita a expressão autêntica dessas competências e com isso atinjam o máximo potencial através das pessoas. Quando as empresas não investem esforços para minimizar fatores geradores de conflitos e não conseguem garantir a sinergia no time de profissionais, entendendo e gerindo as diferenças e aspirações individuais, a maioria das pessoas é afetada, ficam desmotivadas, perdem autoestima, deixam de evoluir e consequentemente impactam os resultados.

O ponto de partida é compreender a cultura da empresa, conhecer a essência e trabalhar com pessoas alinhadas com ela e que tenham o DNA que levará a companhia a realizar seu propósito. Somente a criação de times sinérgicos do ponto de vista das competências comportamentais garantem alta performance. Saber que na era digital a tecnologia é o meio de atingir eficiência, mas que o grande diferencial competitivo está em construir uma estratégia que dá protagonismo para as pessoas, permitirá criar e evoluir times coesos, com a potencialização das forças individuais trabalhadas de maneira colaborativa e complementar, essa é a melhor receita para contornar os desafios competitivos e ter um negócio bem sucedido.

Artigo publicado originalmente no Mundo RH.

Você está pronto(a) para ser um(a) Profissional do Futuro?

O mundo está mudando e já estamos cansados de ler sobre isso. Muitos profissionais sentem que estão perdendo mercado para os aplicativos e startups. E estão mesmo se ainda vivem na Velha Economia. Kodak, Blockbuster e Nokia ficaram para trás e hoje só são lembradas como exemplos de empresas que não souberam se adaptar às mudanças. E é aí que você deve se perguntar: eu sou ou estou trabalhando para ser um Profissional do Futuro?

É preciso encontrar um novo propósito no seu trabalho e mudar a chavinha para se tornar um profissional da Nova Economia, ou melhor, um Profissional do Futuro. Afinal, seu emprego pode desaparecer. 85% das profissões que existirão em 2030 ainda não foram criadas, segundo um estudo realizado Dell Technologies, em parceria com o Institute for the Future (IFTF).

Velha economia x Nova Economia

Pense comigo: se nem na lei da selva foram os mais fortes que sobreviveram, por que na Nova Economia as empresas mais tradicionais reinariam? Elas precisam repensar seus modelos atuais de trabalho. O mercado tem novas demandas e a muitas funções não se encaixarão mais nele. Com a evolução tecnológica, as organizações terão como base a internet e a tecnologia.

Por isso, busque entender o mercado e as vontades dos seus clientes e mantenha suas portas abertas para as mudanças. Ninguém tem tempo a perder no que já não vai mais dar certo. Se você já tem um grande produto, mas ainda não o atualizou seguindo as demandas do mercado atual, adeque o quanto antes suas estratégias para não perder espaço e reconhecimento.

A Velha Economia começou com a Revolução Industrial, em uma época que era preciso atender o maior número de pessoas. Nesse processo, as empresas que estavam no centro das decisões e isso mudou há alguns anos. As emissoras de TV, por exemplo, determinavam quando o expectador deveria ver um telejornal e pronto. Quem estava interessado teria que consumir aquele conteúdo naquele momento.

Em 2007, o e-commerce veio com tudo e deixou os consumidores mais emponderados. As compras passaram a ocorrer através do computador e do smartphone em apenas um clique. As empresas saíram do centro para entender as dores e necessidades dos clientes. Nessa mesma época, as startups começaram a crescer de maneira exponencial.

Mude ou Morra    

Uma empresa não precisa ser uma startup para pensar e agir como tal. E muito menos ter medo de perder sua fatia de mercado para as empresas do futuro.  É impossível não notar que a Netflix mudou a forma de consumir filmes em casa e quebrou seus concorrentes. As empresas que querem se manter fortes devem observar o mercado e buscar aprender com quem já passou por isso antes. Enquanto muitas empresas não entendem as mudanças e sofrem com isso, outas acabam ganhando vantagens competitivas.

Se a estabilidade financeira é a única coisa que te prende em algum lugar, você só está desperdiçando o bom profissional que está aí dentro. Estamos vivendo uma era de transição, onde a inovação e as soluções disruptivas começam a fazer parte do nosso dia a dia. Agora, você deve estar se perguntando: como se preparar para um mercado em que grande parte dos empregos que existe hoje desaparecerá nos próximos anos?

Não existe uma fórmula mágica, mas existem alguns princípios que vão te ajudar a entender o funcionamento desse novo cenário e a escolher as melhores estratégias para a evolução exponencial, como o propósito.

Tenha propósito

O propósito é o início de toda grande mudança. Se você descobrisse que tem R$ 10 milhões na sua conta, o que você faria? E se dinheiro não fosse seu drive? O que te dá tesão? O que você faz super bem? Estas provocações dizem muito sobre o seu propósito. Um propósito forte move um grupo grande que está ao seu redor.

Você precisa descobrir o que te move para empoderar-se e realizar suas próprias vontades nessa Nova Economia que está surgindo com tudo. Está na hora de mudar de estratégia e modelo de negócio. Por isso, seja o profissional que o futuro requer e que a sua empresa precisa.

Este foi apenas um artigo sobre o tema, que é bastante amplo. Abordaremos mais nos textos seguintes. Assine a nossa Newsletter para não perder nenhum conteúdo, ok? Até a próxima!