Na década de 1990 aconteceu nos Estados Unidos a bolha especulativa da Internet, que levou a uma alta das ações de tecnologia e comunicação. A expressão Nova Economia foi criada nesta época e ajuda a descrever o resultado da transição da economia tradicional para a economia baseada na internet e na tecnologia.

No artigo de hoje, conheça um pouco mais sobre o conceito de Nova Economia e prepare-se para esta transformação!

A mudança para a Nova Economia

A mudança trouxe poder aos consumidores e deixou tudo extremamente instável para as empresas. A regra básica da Nova Economia é colocar o cliente no centro de todas as estratégias de negócio. E as startups foram as primeiras a entender este novo funcionamento, já que elas desafiam o status quo e sabem que o cliente hoje tem voz.

Estamos em um momento único na história, onde Velha e Nova Economia convivem entre si. Vivemos entre duas economias, o que pode representar uma grande oportunidade para quem quer romper com o tradicional e reinventar sua carreira ou mesmo abrir um negócio inovador.

A Nova Economia no Brasil

Aqui no Brasil o mercado vem entendendo o recado de que produtos e serviços direcionados à necessidade do cliente são o futuro. Teoricamente, é claro. Ainda existe resistência de empresas que se recusam a mudar de fato, mas elas ficarão para trás, é inevitável. E isso vai desde prestadores de serviço até a própria área de comunicação.

O conformismo não tem mais vez nessa Nova Economia. Não basta mais ter sido a “maior” por um bom tempo. Da mesma forma que uma pessoa não deve ser apenas um bom profissional e só.

Escolha seu lado

Já falamos um pouco sobre isso aqui. Os negócios da Nova Economia proporcionam soluções inovadoras para velhos problemas, como uma fila num banco ou o agendamento de uma consulta médica, vendendo soluções práticas para o nosso dia a dia.

Eles também podem lidar com o prazer do cliente. Mais do que uma solução para um problema, eles vendem uma experiência.  Alguns exemplos claros são os restaurantes 2.0, cafeterias, hamburguerias e barbearias.

Mantenha-se inconformado

Não existem respostas exatas para como se adequar à Nova Economia: esse é um negócio que é mutante e como tal muda a cada momento. A chave para ter as soluções para os problemas que afligem a vida moderna é manter-se inconformado.

Inconformado com o status atual que as coisas seguem, e questioná-las. Inconformado com a fila do banco, com a demora em encontrar um taxi. Inconformado com não conseguir ver seu programa favorito na hora que quiser. Lidar com seres humanos é ser humano em sua essência, e é isso que a Nova Economia pede.

Mais que tudo é importante não ignorar os novos modelos de gestão que aparecem a cada dia. Aplicar modelos tradicionais e defasados em novos negócios é um tiro no pé que muitas empresas cometem, e por isso acabam ficando para trás em relação aos concorrentes.

E mesmo sabendo disso, ainda assim é bem provável que erros vão acontecer. Mas não esqueça: errar é humano, e nada mais justo que uma empresa que busca humanidade cometer tais deslizes. Errando se chega ao caminho certo. Como dizemos aqui na Organica: erre grande, mas erre rápido.

Ano passado fizemos um post falando sobre Mude ou Morro, o livro lançado pelos sócios ada Organica, Renato Mendes e Roni Cunha Bueno, cujo tema é a Nova Economia. Você pode saber mais sobre a publicação clicando aqui.

Caso tenha algum comentário ou tenha ficado com alguma dúvida referente à Nova Economia, não hesite em perguntar. Este é um assunto recente para muitos e podem ter ficado alguns questionamentos no ar. Nossa área de comentários está sempre disponível para auxiliá-lo da melhor forma possível. Até o próximo post!

Recommended Posts

No comment yet, add your voice below!


Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *